InícioTV por AssinaturaEx-Ministro do STF é contratado para contestar MP do Fistel

Ex-Ministro do STF é contratado para contestar MP do Fistel

Carlos Ayres Britto apresenta ação direta de inconstitucionalidade em trecho da MP do Fistel, considerada como “jabuti”; entenda o caso.

O ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Carlos Ayres Britto, foi contratado pelas empresas de TV por assinatura para fazer a contestação de trecho da medida provisória do Fistel – MP 1.018/20.

O trecho contestado se trata do artigo 11 da MP do Fistel que determina o carregamento obrigatório de canais abertos pelos serviços de TV paga em todo território brasileiro, sem custos adicionais para os canais.


A ação direta de inconstitucionalidade número 6921 alega que o artigo é inconstitucional por ser um “jabuti”, termo jurídico para “contrabando legislativo”.

Originalmente, a MP do Fistel tinha o propósito de regular os tributos setoriais incidentes aos serviços de banda larga via satélite. Ao tramitar no Congresso, teve um “jabuti” incluído.

VEJA TAMBÉM:

–> Contra o governo, distribuidoras da TV Paga acionam STF para derrubar lei

–> STF derruba mais uma lei que dificultava a instalação de antenas

–> Decisão do STF desobriga teles a disponibilizarem dados de técnicos aos clientes

O ex-ministro salienta que o propósito da medida provisória era isentar as telecomunicações, mas com a medida, o resultado acabou sendo a sobrecarga das empresas.

Segundo Britto, a obrigação citada no artigo fere o princípio da proporcionalidade, além de considerá-la desnecessária, já que a Lei do SeAC já faz esse papel de regular o carregamento dos canais abertos pela TV paga.

O jurista também argumenta que isso afeta a capacidade das operadoras de TV, uma vez que a quantidade de espectro do cabo é limitada, e as empresas são obrigadas a utilizar parte dessa infraestrutura para carregar esses conteúdos de geração local para outras localidades que não tem nada a ver.

“A nova regra, porém, não atende a esse propósito, servindo apenas ao interesse privado que têm determinadas geradoras de ver ampliado, gratuitamente, às custas das distribuidoras, o alcance de seus conteúdos”, argumenta o jurista.

A Sinditelebrasil, sindicato que representa as operadoras Algar, Sercomtel, Claro, Vivo e TIM, também entraram com ação direta de inconstitucionalidade da MP da Fistel.

O sindicato também corrobora com a violação do princípio da proporcionalidade citada pelo jurista Carlos Ayres Britto, além de afirmar que viola o princípio da livre iniciativa.

“A norma não atende à proporcionalidade em sentido estrito, uma vez que implica severa interferência na gestão das distribuidoras de TV por assinatura, notadamente na gestão do bem de capacidade limitada que é o espectro do cabo, pois as empresas se veem obrigadas a utilizar parcela dessa infraestrutura para o carregamento de conteúdos de geração local para outras praças, que nada têm a ver com essa localidade”, salienta.

Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários