TV Box: Mais de 97 mil aparelhos piratas são destruídos pela Receita Federal

Dispositivos seriam utilizados por milicianos para comercializar o acesso ilegal de conteúdos da TV Paga.

TV Box: Mais de 97 mil aparelhos piratas são destruídos pela Receita Federal

Nesta quarta-feira, 5 de maio, a Receita Federal destrói mais de 97 mil aparelhos TV box que seriam usados para distribuir conteúdos piratas.

A ação ocorre na cidade do Rio de Janeiro, após a apreensão de uma carga importada da China.

Esses dispositivos permitem aos usuários ter acesso ao sinal de canais ao vivo ou conteúdos sob demanda via streaming em televisões que não são do tipo “smart”.

De acordo com as investigações, os dispositivos ilegais tinham como destino milícias da Zona Oeste e da Baixa Fluminense.

VEJA TAMBÉM:

–> Pirataria da TV paga custa R$ 9 bilhões

–> Pirataria e impostos são os vilões da TV paga, diz especialista

–> Anatel lança site de combate à pirataria

“A gente fez um trabalho de inteligência, em que foi identificada a importação desses aparelhos para abastecer as milícias”, afirmou Ewerson Chada, auditor-fiscal da Receita e coordenador da operação.

Com a carga recebida, os criminosos pretendiam instalar softwares para acesso ilegal de 900 canais de TV fechados, além de filmes pirateados dos cinemas.

A prática gera uma rede clandestina de pirataria de serviços de TV, financiando as operações das milícias.

Desde 2019, a Receita apreendeu mais de um milhão de aparelhos do tipo no estado carioca.

Essas apreensões ocorrem em parceria entre a Receita Federal, a Polícia Federal e a Polícia Civil do Rio, assim como o apoio da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA).

Segundo a ABTA, a pirataria no Brasil gera um prejuízo estimado para a indústria audiovisual de R$ 9,5 bilhões por ano, além da perda de R$ 1 bilhão na arrecadação de impostos.

A destruição dos aparelhos ocorre no prédio do Ministério da Fazenda, em Benfica, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Outros 900 mil aparelhos apreendidos permanecem estocados pelo órgão.

Em parceria com uma universidade do Rio, a Receita estuda uma forma de modificar esses dispositivos e doá-los para alunos de escolas públicas para que eles tenham acesso a conteúdos educacionais, por meio de videoaulas.

Com informações de Globo.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários