Vivo denuncia a concorrente Claro por conta do 4.5G

As duas operadoras alegam que a tecnologia é exclusiva delas.

O 4.5G foi anunciado oficialmente pela Claro no ano passado, mas, em 2018, a tecnologia tem sido motivo de disputa entre as concorrentes. A Vivo, que alega com todas as forças que também tem o 4.5G, dito como exclusivo pela Claro, resolveu até denunciar a concorrente ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar).

O comercial apontado pela Vivo como, digamos, mentiroso, é o que chama “Claro – O 4G mais rápido do Brasil, ainda mais rápido”, dessa série de propagandas que vemos ser apresentadas por Tiago Leifert. A última, inclusive, foi divulgada há 10 dias sob o título “4.5G de verdade só a Claro tem”.









Para a Vivo, a campanha em questão traz alegações de superioridade, quando, por exemplo, afirma que a Claro tem “até 10 vezes mais velocidade”, dando ênfase às denominações “4.5” e “4G+”.

A operadora disse que a concorrente poderia induzir o consumidor ao erro, uma vez que se trata da mesma tecnologia oferecida pelas demais operadoras, como a Oi e a própria Vivo.
Uma reunião de conciliação entre as partes até chegou a acontecer, mas não houve nenhum acordo. Pelo contrário, a Claro se defendeu, justificou as expressões e entregou algumas pesquisas que comprovassem o que foi dito. 
O resultado? O ‘processo’ acabou sendo arquivado pelo relator Rubens da Costa Santos, que aceitou os argumentos da defesa e teve a decisão de arquivamento apoiada pela maioria no Conar.

A disputa pelo 4.5G

De fato, o termo 4.5G vem confundindo os consumidores de telefonia celular. Recentemente, escrevemos a matéria “Claro ou Vivo? Afinal, quem oferece o 4,5G no Brasil?”, que explica com todos os detalhes o que cada uma diz sobre a novidade.
O que acontece é que a Claro alega ter uma tecnologia única, exclusiva no mercado, de agregação de frequências que fazem seu 4.5G oferecer uma internet 10 vezes mais rápida ao seu cliente. Pelo menos em 153 cidades brasileiras, incluindo as capitais.
Só que a Vivo também diz que oferece o 4.5G. Em abril, dizia que a velocidade era duas vezes maior do que do 4G tradicional, o que seria um pouco inferior à da Claro. A Oi, para não ficar para trás, anunciou que lançará essa mesma evolução do 4G em 26 localidades do Brasil ainda este ano.

LEIA TAMBÉM:
Durante os esclarecimentos ao Minha Operadora, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) explicou que as nomenclaturas oficiais, como LTE (4G), por exemplo, são estabelecidas pelo órgão 3GPP, que dispara releases explicativos a cada atualização da rede móvel.
A partir do release/documento 10, em 2011, foi definida a tecnologia LTE Advanced, que seria o tal do 4.5G, uma evolução do 4G. Já a partir do release 13, em 2016, foi incluída a tecnologia denominada LTE Advanced Pro, que une ainda mais redes para oferecer mais velocidade.
Em outras palavras, todas as operadoras que decidiram evoluir sua rede 4G, incluindo a agregação de portadoras, ou seja, a possibilidade de utilizar mais uma portadora (em diferentes faixas de frequências), em busca de aumentar a velocidade máxima para o cliente, já possui uma rede 4.5G. A partir daí, a nomenclatura é da escolha das próprias operadoras e suas jogadas de marketing. 4G+, 4G Plus, 4.5G… Tudo, aparentemente, a mesma coisa.
Só que a Claro utilizou o termo 4.5G para divulgar uma tecnologia superior. Segundo a operadora, seu 4.5G se diferencia do 4G (LTE) e do 4G+ (LTE Advanced) porque disponibiliza, além da agregação das diferentes faixas de frequências, outras funcionalidades de última geração, que permitem maior eficiência espectral (transmissão de mais bits por unidade de tempo e de espectro).
“Estas funcionalidades são conhecidas como MIMO 4×4 (comunicação entre torre e aparelho estabelecidos por 4 antenas de transmissão e 4 antenas de recepção) e modulação 256QAM (modulação avançada que permite transmitir mais informação digital em cada unidade de tempo). A combinação destas funcionalidades faz parte do padrão LTE-Advanced Pro”.


É por isso que a rede da Claro promete até 10 vezes mais velocidade onde já há esse tipo de frequência combinada. Não se trata do LTE, nem do LTE Advanced, mas sim do LTE Advanced Pro, este que nenhuma outra alegava ter comercialmente. É claro que, para chegar a essa velocidade, é preciso ter, além da cobertura da rede, um smartphone compatível com a tecnologia, como os lançamentos mais recentes das fabricantes.
“No mercado, o uso combinado destas funcionalidades também é conhecido como 4.5G por representar uma grande evolução ao 4G e também um avanço consistente na jornada até o 5G”, disse a Claro.
Até chegar ao 5G, a verdade é que o assunto do 4.5G ainda vai dar o que falar. Cada vez vemos mais comerciais da Claro reforçando a exclusividade da tecnologia e, inclusive durante coletivas e eventos com a imprensa, diretores sempre fazem questão de afirmar que nenhuma outra concorrente tem.
Do outro lado está a Vivo, que, além de ter aberto uma denúncia ao Conar no mês de abril contra a Claro, também começou a citar o “4.5G” em seus comerciais. Antes, a operadora só utilizava o termo 4G+.

Agora, a operadora também lançou uma página exclusiva para falar sobre a tecnologia, disponível em 590 cidades. Ela alega, inclusive, que já entrega a velocidade 10x mais rápida e uma “qualidade que só a Vivo tem”, conforme é possível ver abaixo.

A Claro também disponibiliza uma página com informações completas sobre o 4.5G, incluindo as cidades cobertas e os smartphones compatíveis.

A TIM, por enquanto, disse que considera baixa a penetração de terminais compatíveis com as características Advanced Pro, e por isso entende que seja mais relevante trabalhar com outras ofertas para o cliente, como o 4G em 700 MHz, o Carrier Agregation e o VoLTE.

COMPARTILHAR:

Acompanhar esta matéria
Notificação de
15 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários