InícioTecnologiaDefensoria Pública entra no jogo para impedir novas regras do WhatsApp

Defensoria Pública entra no jogo para impedir novas regras do WhatsApp

Nova política de privacidade entra em vigor no dia 15 de maio e prevê bloqueio de usuários.

Defensoria Pública entra no jogo para impedir novas regras do WhatsApp

A Defensoria Pública do Estado de São Paulo (DP-SP) encaminhou à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) um pedido de liminar para proibir o WhatsApp de implementar as novas regras de privacidade.

A nova política entra em vigor em 15 de maio de 2021 e prevê um maior compartilhamento de dados entre o aplicativo de mensagens com o Facebook (proprietário do WhatsApp).


Aqueles usuários que não aceitarem a mudança nas regras serão simplesmente banidos do aplicativo, sendo impedidos de ler ou enviar mensagens.

No requerimento da defensoria pública é pedido que as autoridades apurem se a nova política de privacidade fere a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

VIU ISSO?

–> Integração entre WhatsApp e Messenger está à caminho

–> ‘Exclua o WhatsApp do seu telefone’, alerta criador do Telegram

–> WhatsApp lança campanha nacional contra roubo de contas

Até que essa análise seja feita, os defensores públicos Luiz Fernando Babi Miranda e Estela Waksberg Guerrini, coordenadores do Núcleo de Defesa do Consumidor da DP-SP (Nudecon), querem que as mudanças no aplicativo sejam suspensas.

“Já entendemos de antemão que essa nova política fere a legislação, tanto a LGPD quanto o CDC [Código de Defesa do Consumidor], no mínimo. Em última instância, o WhatsApp deveria possibilitar, no mínimo, o direito de opt-in – os consumidores têm que poder escolher se eles querem compartilhar seus dados, quais dados e com que finalidade”, defendeu Guerrini em entrevista ao Tilt.

Já o WhatsApp vê a manifestação da Defensoria Pública como positiva, permitindo que a empresa possa esclarecer as informações sobre a nova política de privacidade.

“A empresa reforça sua disponibilidade para cooperação com as autoridades brasileiras e seguirá prestando as informações necessárias tanto para as autoridades quanto para seus usuários”, informou o WhatsApp.

Por sua vez, a Senacon afirma que tomará as devidas providências assim que receber o requerimento da DP-SP.

Além da Defensoria Pública, o Procon do Estado de São Paulo pediu mais explicações da empresa sobre a atualização nas regras.

Já o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) também pediu uma reação do Ministério da Justiça e da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Com informações de Tilt.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários