sexta-feira, 18 de março de 2016

Oi demorou quase 24 horas para interromper gravações do celular de Lula

O que você achou? 
Depois do juiz Sérgio Moro solicitar a retirada dos grampos telefônicos de Lula, a Vivo foi a primeira a acatar a decisão.


A operadora Oi foi a que mais demorou para cumprir a decisão do juiz Sérgio Moro de interromper as escutas telefônicas dos telefones celulares do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus assessores, segundo a Polícia Federal. Foram quase 24 horas de atraso após o recebimento da ordem judicial, obrigando a PF a enviar outras solicitações de interrupção para a empresa.

Foi expedida no início da tarde da quarta-feira, 16, a decisão de Moro de parar as gravações, visto que havia sido divulgada a informação de que a presidente Dilma Rousseff iria nomear o ex-presidente Lula como ministro do seu governo, impedindo Sérgio Moro de continuar investigando o líder político. O juiz aproveitou e liberou para a imprensa vários trechos de conversas comprometedoras de Lula com políticos aliados e a própria Presidente da República.

A Vivo foi a mais ágil, cumprindo a decisão no mesmo dia, mais precisamente às 15h04. No entanto, a operadora havia solicitado um outro ofício para o juiz Moro, por considerar que o primeiro não seria válido para o seu cumprimento.

Depois, a Claro também trabalhou para interromper a escuta, tendo finalizado o processo às 23h33 da quarta-feira. A Oi foi a última, encerrando as gravações das suas linhas somente às 11h55 do dia seguinte (quinta-feira, 17). A PF informou que a operadora chegou a ser alertada várias vezes de que era preciso cumprir a decisão, mas mesmo assim não conseguiu obter um retorno rápido da empresa.


Leia também:


2 comentários:

  1. Agora a polícia federal ver o que sofremos com essa operadora de merda.

    ResponderExcluir
  2. Agora entendi por que a OI está na falência.

    ResponderExcluir