InícioProjetos SociaisTIM reúne 40 empresas dispostas a empregar mulheres com exclusividade

TIM reúne 40 empresas dispostas a empregar mulheres com exclusividade

Iniciativa visa promover inclusão e diminuir e desigualdade salarial entre homens em mulheres no mercado de trabalho.

A TIM segue empenhada no comprometimento com iniciativas sociais. Dessa vez, a marca lidera o movimento “Mulheres Positivas”, que já reúne 40 empresas dispostas a dar exclusividade a mulheres em seus processos seletivos para novos colaboradores. Atualmente, são mais de 200 vagas em várias regiões do país. A ideia é preencher mais de 100 cargos em variados níveis, podendo receber pessoas com classificação “júnior” ou “sênior” no mercado.

Logotipo do Mulheres Positivas, iniciativa da TIM.
Imagem: Logotipo do Mulheres Positivas, iniciativa da TIM.

As interessadas poderão ocupar vagas em consultoria de vendas ou atuar em áreas como jurídico, RH, TI, Saúde e outras. A própria TIM segue com vagas abertas no atual momento, mas junto da empresa estão também a Pirelli, Enel, Stellantis, Microsoft, Via, Generali, Oracle, Huawei e Nokia.

O portal do Mulheres Positivas reúne todas as oportunidades. Quem quiser manifestar interesse e efetuar candidatura deve entrar no mesmo e seguir os procedimentos necessários para participar dos processos seletivos das vagas anunciadas.

A campanha de divulgação do movimento é liderada pela cantora IZA, destaque em todos os anúncios da operadora. Em texto, as divulgações destacam que se trata de uma união de todas para conquista do próprio lugar. Pelo smartphone, usuários podem explorar a plataforma sem desconto na franquia.


VEJA TAMBÉM:

–> TIM se lança na Black Friday 2021 com cursos de graduação

–> TIM divulga resultados financeiros do trimestre

–> TIM apresenta crescimento de 30% na cobertura FTTH, segundo balanço

A iniciativa chega em bom momento para a TIM, que teve seu nome envolvido em um escândalo de grandes proporções. No Rio de Janeiro, uma ex-funcionária da operadora alegou ter sido violentada sexualmente, demitida e com total falta de suporte da empresa na qual era colaboradora. As investigações posteriores desvendaram ainda que a prática era comum no local. Na época, em nota, a empresa manifestou repúdio e tomou providências.

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários