Operadoras rivais poderão acompanhar processo de venda da Oi Móvel

Negócio vem recebendo críticas de empresas concorrentes e entidades do setor.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aceitou os pedidos da Algar Telecom, Sercomtel, Associação NEO, Telcomp e Idec para acompanharem a análise da venda da Oi Móvel para as operadoras Claro, TIM (TIMS3) e Vivo (VIVT3).

Agora, as operadoras e as entidades passam a ser partes interessadas no processo que verifica se existirá um ato de concentração de mercado após a venda dos ativos móveis da Oi.

O Cade entendeu que o ingresso delas no processo permitirá que elas contribuam com a análise do processo.

Elas também poderão apresentar argumentos sobre o negócio, permitindo o máximo de conhecimento possível para balizar a decisão do órgão antitruste.

VIU ISSO?

–> No Cade, TIM, Vivo e Claro defendem a venda da Oi Móvel

–> Vivo, TIM e Claro querem consentimento prévio da Anatel para compra da Oi Móvel

–> Oi cogita participar do leilão do 5G

“Tendo em vista o manifesto interesse por parte das postulantes e dada a possibilidade de serem afetadas pela decisão a ser adotada pelo Cade, conclui-se que são terceiros dotados de legítimo interesse pelo caso ora sob análise, constatação que autoriza o enquadramento do pleito”, afirma a Superintendência Geral do Cade.

Nas últimas semanas, Algar Telecom, Sercomtel, Associação NEO, Telcomp e Idec ingressaram com petições para acompanhar de perto as movimentações dentro do Cade, enquanto a venda da Oi Móvel é analisada.

A Algar Telecom, por exemplo, está preocupada com a possibilidade de o negócio aumentar as barreiras para a entrada e expansão de novos players no mercado nacional de telefonia móvel.

A Sercomtel quer ter acesso a informações mais detalhadas sobre o desmembramento da Oi Móvel, como os impactos no mercado de atacado e quais serão os acordos de não concorrência.

A Associação NEO considera a venda da Oi Móvel para a Claro, Vivo e TIM como uma estratégia coordenada sem precedentes entre as maiores operadoras do país, com o potencial para controlar o mercado da forma que desejarem.

A TelComp defende compromissos com a qualidade dos serviços prestados.

Finalmente, o Idec se preocupa com os preços dos serviços em áreas remotas do país e sem concorrência.

A análise da venda da Oi Móvel começou em março passado e deve se estender pelo resto do ano, com a decisão saindo até dezembro.

A conclusão do negócio também depende de aprovação regulatória da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Com informações de Teletime.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários