TIM está com licitação aberta para escolha de fornecedor do core da rede 5G

Operadora já conta com Huawei e Ericsson entre fornecedores de rede 5G.

5G e logomarca da Tim
Reprodução: Novidá

De acordo com o CTIO da TIM, Leonardo Capdeville, a empresa está com processo de licitação para a escolha do fornecedor do core de sua rede 5G.

Ele explica que uma série de plataformas do core está pronto, assim como o arcabouço da tecnologia. “Por isso que a gente sempre disse que não levaria cinco anos para implementar”, afirma.

Além disso, o tempo também deve ser reduzido pelo fato de a TIM ter decidido, há alguns anos, pela implementação massiva do VoLTE (voz sobre rede 4G), essencial para a viabilização de serviços de voz.

A tecnologia já está habilitada em 4.086 cidades das 4.121 que contam com a cobertura 4G da operadora, ou seja, em quase 100% dos municípios.

Capdeville também diz que em relação a parte de rádio, a rede de acesso já está contratada. Isso porque, quando a operadora realizou sua última compra de 4G, o 5G também foi incluído nas negociações.

No último edital, ligado a parte de acesso e que negociou tanto o 4G quanto o 5G, os fornecedores contratados foram a Ericsson e a Huawei. Segundo Capdevilla, a princípio, isso se mantém.

VEJA TAMBÉM:

–> Durante o Digital Day, TIM realiza demonstrações com o 5G standalone

–> Conheça os três estados que vão receber 5G da TIM

–> 5G poderá substituir banda larga fixa residencial

Ainda de acordo com o CTIO da TIM, esses contratos não abordam a adoção de elementos Open RAN, já que, segundo ele, nem a empresa sueca e nem a chinesa estão muito ativas nesse conceito.

Ele explica ainda que, apesar de o Open Ran estar muito desenvolvido para o 4G, isso ainda não se reflete no 5G.

“O Open RAN não é uma aposta, é uma certeza, mas a gente ainda tem um tempo de maturidade. Acredito que a gente vai começar a ver isso em deployment, em escala, lá para 2024 ou 2025”, disse.

Por fim, Capdeville afirma que, levando em consideração as obrigações relacionadas a um bloco de 80 MHz na faixa de 3,5 GHz, será preciso instalar 1,2 mil ou 1,3 mil Estações Rádio Base (ERBs) para que a primeira meta da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) seja atendida ainda no início das operações.

O executivo conta que a TIM havia decidido por evoluir a rede para o 5G standalone e que, caso o edital se mantenha da mesma forma como foi aprovado pela Anatel, a operadora precisará apenas acelerar o ritmo.

Com informações de Teletime.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários