Início5GTIM está com licitação aberta para escolha de fornecedor do core da...

TIM está com licitação aberta para escolha de fornecedor do core da rede 5G

Operadora já conta com Huawei e Ericsson entre fornecedores de rede 5G.

5G e logomarca da Tim
Reprodução: Novidá

De acordo com o CTIO da TIM, Leonardo Capdeville, a empresa está com processo de licitação para a escolha do fornecedor do core de sua rede 5G.

Ele explica que uma série de plataformas do core está pronto, assim como o arcabouço da tecnologia. “Por isso que a gente sempre disse que não levaria cinco anos para implementar”, afirma.

Além disso, o tempo também deve ser reduzido pelo fato de a TIM ter decidido, há alguns anos, pela implementação massiva do VoLTE (voz sobre rede 4G), essencial para a viabilização de serviços de voz.

A tecnologia já está habilitada em 4.086 cidades das 4.121 que contam com a cobertura 4G da operadora, ou seja, em quase 100% dos municípios.


Capdeville também diz que em relação a parte de rádio, a rede de acesso já está contratada. Isso porque, quando a operadora realizou sua última compra de 4G, o 5G também foi incluído nas negociações.

No último edital, ligado a parte de acesso e que negociou tanto o 4G quanto o 5G, os fornecedores contratados foram a Ericsson e a Huawei. Segundo Capdevilla, a princípio, isso se mantém.

VEJA TAMBÉM:

–> Durante o Digital Day, TIM realiza demonstrações com o 5G standalone

–> Conheça os três estados que vão receber 5G da TIM

–> 5G poderá substituir banda larga fixa residencial

Ainda de acordo com o CTIO da TIM, esses contratos não abordam a adoção de elementos Open RAN, já que, segundo ele, nem a empresa sueca e nem a chinesa estão muito ativas nesse conceito.

Ele explica ainda que, apesar de o Open Ran estar muito desenvolvido para o 4G, isso ainda não se reflete no 5G.

“O Open RAN não é uma aposta, é uma certeza, mas a gente ainda tem um tempo de maturidade. Acredito que a gente vai começar a ver isso em deployment, em escala, lá para 2024 ou 2025”, disse.

Por fim, Capdeville afirma que, levando em consideração as obrigações relacionadas a um bloco de 80 MHz na faixa de 3,5 GHz, será preciso instalar 1,2 mil ou 1,3 mil Estações Rádio Base (ERBs) para que a primeira meta da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) seja atendida ainda no início das operações.

O executivo conta que a TIM havia decidido por evoluir a rede para o 5G standalone e que, caso o edital se mantenha da mesma forma como foi aprovado pela Anatel, a operadora precisará apenas acelerar o ritmo.

Com informações de Teletime.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários