InícioTelefonia CelularIntercel volta a comercializar planos apenas no meio do ano

Intercel volta a comercializar planos apenas no meio do ano

Após problemas com a Surf Telecom, MVNO passou a utilizar a infraestrutura da Vivo.

Intercel volta a comercializar planos apenas no meio do ano

De acordo com Rodrigo Gouveia, CEO do Inter Shop, do Banco Inter, a operadora móvel virtual (MVNO) Intercel voltará a comercializar planos para novos clientes apenas na metade do ano de 2021.

A MVNO foi lançada em maio do ano passado, a partir de uma parceria com a Surf Telecom e utilizando as redes da TIM e da Oi.

Entretanto, diante de problemas com a infraestrutura da Surf Telecom, após uma briga interna detalhada pelo Minha Operadora, o Banco Inter resolveu romper com a empresa e apostar numa parceria direta com a Vivo.

O anúncio da novidade foi feito em janeiro de 2021, mas, desde o final do ano passado, a Intercel não vem comercializando novos planos.


VIU ISSO?

–> Clientes da Intercel relatam primeiras instabilidades da MVNO

–> Intercel vai compensar usuários por falha em rede

–> Intercel suspende venda dos planos de telefonia móvel

Ou seja, não é possível por enquanto solicitar novos chips ou contratar planos móveis.

Na época, procurada pelo Minha Operadora, a empresa afirmou que os clientes que já haviam contratado o serviço não seriam impactados.

“O Inter informa que no mês de agosto, após comunicar seus clientes, paralisou temporariamente a venda de novos planos de telefonia móvel e dados da Intercel, sem impacto para quem já havia contratado o produto. O objetivo é garantir a prestação dos serviços e oferecer um produto cada vez melhor e com mais qualidade”, disse a assessoria da empresa.

Agora, o CEO do Inter Shop afirmou que a paralisação visava desenvolver a oferta de serviços (incluindo a operadora virtual) ante o e-commerce da plataforma.

O executivo também revelou que o Banco Inter está preparando um novo aplicativo para usuários não correntistas, para oferecer serviços como e-commerce, delivery, entre outros.

“A nossa intenção inicial era nos dedicarmos aos serviços, mas o e-commerce acabou tendo um foco grande. Agora, voltamos a nos concentrar nele. Uma compra de um bem durável não tem a mesma recorrência que um serviço, onde temos visto crescimento em segmentos como viagens, combustível, delivery e operadora”, disse Gouveia ao Mobile Time.

Com informações de Mobile Time.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

2 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários