Cliente da SKY é prejudicado pelo atendimento via robô

Caso levanta a questão: SAC automatizado adianta ou atrasa a vida do consumidor?

Carlos Wilson Senarote, de 55 anos, alega ser um cliente antigo da SKY. O morador de Caraguatatuba, em São Paulo, é um assinante pré-pago e ficou sem sinal da operadora por vários dias, mesmo com o pagamento realizado. Entretanto, o pior ainda está por vir.

Na busca por uma resolução do problema, o consumidor tentou fazer contato pelo telefone, mas não conseguiu ser atendido por um humano, a ligação ficou apenas no robô, que não trouxe uma resolução.

Com isso, ele opina que o serviço é falho e funciona apenas para gerar protocolos. O assinante acusou a operadora de ser irresponsável e dar tratamento diferenciado no ato de pagamento e na entrega do serviço.

A frustração ficou ainda maior com a incapacidade para explicar o ocorrido e receber uma solução por parte da prestadora, já que o atendimento nunca passava da etapa robótica.

No esclarecimento via assessoria de imprensa, a SKY comunicou que fez a devolução integral do valor de R$ 57,90 pago por Carlos Wilson, quando o mesmo informou que o sinal não havia sido liberado.

VIU ISSO?
Conheça Joice, a inteligência artificial da Oi
TIM investe em inteligência artificial e anuncia transformação
Vivo lança novo filme para divulgar sua inteligência artificial

Entretanto, o problema enfrentado pela operadora nos leva a seguinte questão: o atendimento via robôs adianta ou atrasa a vida do consumidor?

Nos últimos meses, todas as empresas de internet, telefonia ou TV paga investiram altas quantias para o desenvolvimento de suas inteligências artificiais. A ideia é sempre a mesma: oferece praticidade, conforto e poupar o tempo do cliente.

Na prática, as coisas nem sempre funcionam como desejado. Para emissão de faturas, compra de créditos e outros serviços que podem ser emitidos de imediato, sem a necessidade de um maior aprofundamento, os sistemas robóticos geram economia e modernidade para as marcas.

Mas o excesso de opções ou coordenadas em um atendimento telefônico, por exemplo, pode gerar mais incômodo do que satisfação no cliente, que muitas vezes só quer explicar o ocorrido e ter uma atenção mais direcionada.

Com informações da Folha de S.Paulo

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários