24/09/2021
InícioTelefonia CelularApós escândalo, assistente virtual da TIM ganha linguagem não sexista

Após escândalo, assistente virtual da TIM ganha linguagem não sexista

Por coincidência e sem relação direta, atualização surge semanas após um caso de abuso sexual vir à tona em uma das lojas da empresa.

Imagem: Atendimento virtual da TIM - Captura de tela do site oficial
Imagem: Atendimento virtual da TIM – Captura de tela do site oficial

A Tais, assistente virtual da TIM, será mais inclusiva e menos sexista a partir de agora. Se antes os termos masculinos eram predominantes tanto para homens, quanto para mulheres e trans não-binárias, agora o cenário será outro. O trabalho realizado envolveu 90 mudanças para melhorar o atendimento, além de uma aprimoração que será contínua para explorar termos ainda mais inclusivos.

O jornalista Hélio Brito, responsável pelo trabalho de jornadas de atendimento e experiência do usuário na URA da operadora, foi o responsável pela mudança. Na visão do profissional, essa revisão foi realizada para que todas as pessoas se sintam representadas e incluídas.

Obviamente, há uma forte influencia do contexto social atual e também das estratégias da TIM em prol de minorias e outros movimentos sociais. Há alguns meses, a operadora apostou também no teclado consciente, que emite alertas a respeito de expressões que possam ser consideradas racistas ou homofóbicas.

Mas, por coincidência e sem qualquer relação direta, a mudança na URA surge após um escândalo de abuso sexual em uma loja da operadora ter se tornado de conhecimento público. Na ocasião, a vítima relatou sua experiência e alegou que não foi ouvida pela TIM no canal de denúncia da empresa.

VEJA TAMBÉM:

–> Repercussão ‘negativa’ garante retorno do Deezer ao TIM Beta

–> TIM fecha nova parceria para a oferta de ensino superior à distância

–> Vivo e TIM já compartilham antenas em quase 700 cidades

Para somar, a ex-vendedora acabou demitida e ouviu que feriu a honra de seus colegas de trabalho e superiores. Em nota, a operadora comunicou que a demissão da profissional não teve relação direta com o fato relatado e que entrou em contato com a vítima para prestar o devido apoio.

A repercussão do caso de assédio fez com que a operadora emitisse um posicionamento público nas redes sociais, na qual foi alvo de críticas e questionamentos.

Com informações de Geek Publicitário

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
CONTEUDO RELACIONADO
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES