InícioEconomia e NegóciosNo Uruguai, operadoras de TV Paga são proibidas de vender banda larga

No Uruguai, operadoras de TV Paga são proibidas de vender banda larga

Empresas reclamam da queda no número de assinantes e pedem novo marco regulatório para manter a viabilidade do setor.

No Uruguai, operadoras de TV Paga são proibidas de vender banda larga

Desde 2014, com a aprovação da Lei de Mídia, no Uruguai, as operadoras de TV por assinatura do país são proibidas de prestar serviços de internet, e vice-versa. Porém, as empresas pedem um novo marco legal para oferta de outros serviços de telecomunicações e impulsionar o setor.

Assim como no Brasil, o número de assinantes de serviços de TV paga está caindo no Uruguai, a ponto de ameaçar a viabilidade do segmento. “As empresas não aguentam mais”, afirmou Washington Melo, presidente da Câmara Uruguaia de Televisão para Assinantes (CUTA), que congrega 89 operadoras de TV fechada.

No passado, a legislação foi criada com o objetivo de proteger as empresas uruguaias. Porém, com a evolução tecnológica do mercado, agora a norma tem sido uma barreira para que as operadoras ofereçam outros produtos e consigam manter as operações.

“O modelo exclusivo de TV paga está obsoleto e esgotado… Atualmente, os conteúdos passam a circular diretamente pela internet, sem alcançar a TV a cabo”, relata Melo.

VEJA TAMBÉM:

–> Mercado de TV por assinatura poderá ter mudanças significativas

–> Governo argentino quer impedir as operadoras de reajustar preços dos serviços

–> Google anuncia construção de cabo submarino que vai ligar Brasil aos EUA

As empresas pedem urgência na aprovação pelo governo de um novo marco legal que permita oferecer outros serviços de telecom. Um projeto de “Lei da Imprensa” foi proposto que inclui a revogação da norma, mas ela está sendo analisada há mais de um ano e meio. A proposta já estava pronta para ser votada pelo Parlamento do Uruguai, mas surgiram novos artigos que acabaram atrasando o processo.

“As empresas filiadas à CUTA não exigem subsídios, isenções ou privilégios, mas querem acabar com uma proibição ilegal de entrar no mundo da internet e das telecomunicações, com o objetivo de continuar a apostar num país com mais investimentos, empregos e opções para as pessoas ”, conclui.

Com informações de Nextv.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
CONTEUDO RELACIONADO
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES