Início5GMaioria dos usuários não está feliz com as aplicações do 5G

Maioria dos usuários não está feliz com as aplicações do 5G

Novo estudo global da Ericsson aponta que operadoras podem ter feito ‘promessas exageradas’ durante a implantação da nova tecnologia.

Maioria dos usuários não está feliz com as aplicações do 5G
Imagem: Ministério das Comunicações/Reprodução

De acordo com um novo estudo realizado pela Ericsson, a maioria dos usuários do 5G em todo o mundo está insatisfeita com os serviços e aplicações oferecidas pela rede de nova geração.

A fabricante ressalta que, embora muitos usuários estão satisfeitos com a velocidade da rede, 70% deles não estão felizes com os produtos oferecidos com os novos planos móveis.

Em muitos mercados internacionais, as ofertas dos pacotes 5G não são muito diferentes do que já é oferecido no 4G, apesar de os usuários estarem dispostos a pagar entre 20% e 30% por planos com novos serviços.

A Ericsson acredita que a reação negativa está relacionada com as “promessas exageradas” feitas pelas operadoras durante o período de pré-lançamento do 5G.

VEJA TAMBÉM:

–> Missão 5G: Comitiva brasileira encerra visita aos Estados Unidos

–> Huawei apresenta principais aplicações do vindouro 5G

–> Em parceria com Amazon, Vivo testa com sucesso 5G baseado em nuvem

Conforme noticiado pelo Minha Operadora, na Coreia do Sul, por exemplo, primeiro país a ativar uma rede 5G comercial, os usuários não estão satisfeitos com a velocidade oferecida.

Outros motivos apontados pelo relatório da Ericsson são a performance consolidada do 4G, a falta de planos acessíveis ou falhas na cobertura em ambientes fechados (indoor).

Este último tende a ser uma crescente demanda mundial, uma vez que existem mais pessoas dentro de casa, por conta da pandemia da Covid-19.

Tanto é que a empresa sugere que o aumento do desempenho indoor é mais importante do que a velocidade da rede 5G.

O estudo também aponta que 20% dos usuários diminuíram o tempo passado conectado a redes Wi-Fi.

No relatório, a Ericsson também lista possíveis usos emergentes das redes 5G, como hot zones 5G, nuvem instantânea, cloud gaming, TV 5G, ensino imersivo, além de serviços de entretenimento automotivo.

Para realizar o relatório, a empresa conduziu pesquisas quantitativas e qualitativas em 26 países no final de 2020.

Na época, estima-se que 220 milhões de pessoas tinham acesso a rede de nova geração em todo o mundo.

A estimativa da Ericsson é que mais de 300 milhões de assinantes passem a utilizar a rede 5G em 2021.

Com informações de Teletime.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
CONTEUDO RELACIONADO

4 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES