Nubank é o maior banco a originar recargas de pré-pago na Oi

Volume produzido pela fintech demonstra como os bancos digitais vêm facilitando operações bancárias corriqueiras.

O Nubank é atualmente o banco responsável pela maior parte das transações de recarga de telefones pré-pagos recebidas pela Oi.

Quem disse isso foi Roberto Guenzburguer, diretor de marketing da empresa, durante um evento de telecomunicações.

Há um ano e meio a fintech estava na outra ponta, sendo a que menos originava recargas de números pré-pagos da tele.

Nesse meio tempo, o aplicativo do banco digital roxo facilitou o acesso ao botão de recargas no carrossel presente no rodapé e ainda passou a permitir que elas fossem feitas usando o limite disponível no cartão de crédito.

Porém quem lidera absoluta na geração de créditos pré-pagos da operadora é uma empresa do grupo Cielo: a M4U é responsável por operacionalizar pagamentos em diversos canais.

LEIA TAMBÉM:

–> Nubank e Mercado Pago se unem ao Google

–> Nubank permite realizar recarga de celular com cartão de crédito

–> Clientes Nubank ganham desconto em chip internacional

De acordo com o executivo da Oi, um resultado tão expressivo trazido pelas fintechs é o que faz com que as operadoras busquem realizar parcerias com elas e desta forma agregar valor.

Para Guenzburguer, no passado existiam “barreiras de entrada muito grandes” para ingressar nesse mercado financeiro, mas elas foram sendo reduzidas no decorrer da última década.

Essas mudanças na legislação relacionada ao mercado bancário tornaram possível que a Oi até mesmo lançasse uma solução de pagamentos própria chamada Oi Paggo, a qual não não foi bem sucedida.

Hoje em dia a tele possui um acordo de prestação de serviços bancários e conta digital com a Conta Zap, que funciona por meio de troca de mensagens através do WhatsApp.

A Conta Zap funciona totalmente por meio deste mensageiro, desde a abertura da conta até as transações como pagamentos, transferências e consulta de saldo.

Segundo o executivo, essa parceria não está ameaçada pela venda da Oi para a TIM, Claro e Vivo — processo que ainda aguarda parecer do Cade e da Anatel.

Com informações de TeleSíntese

Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários