Facções criminosas sequestram antenas de telefonia e internet no Rio de Janeiro

De acordo com as operadoras, bandidos já tomaram 26 antenas, prejudicando cerca de 158 mil pessoas.

Antenas de telefonia.
Imagem ilustrativa.

No Rio de Janeiro, facções criminosas estão “sequestrando” antenas de de telefonia e internet de diversos bairros da região metropolitana.

Depois de tomarem as antenas, eles exigem uma espécie de “resgate” dos equipamentos para as operadoras que foram vítimas da prática criminosa.

Atualmente, 26 antenas estão sob o domínio dos criminosos, de acordo com as operadoras. Com isso, cerca de 158 mil pessoas foram afetadas, já que nas instalações também se encontram os equipamentos da rede fixa de internet e celular.

Ainda de acordo com as empresas, as pessoas prejudicadas são moradoras de 72 bairros da capital e de outras três cidades da região metropolitana, sendo elas, Niterói, São Gonçalo e Itaboraí.

Para se ter uma ideia, a depender da área de cobertura, o roubo de apenas um equipamento pode deixar 4 mil moradores sem sinal, além de proporcionar dificuldades para quem estiver passando pela região.

VIU ISSO?

–> São Paulo multa quase mil antenas de celular por irregularidades

–> Cidade proíbe instalação de antenas 5G por receio de riscos à saúde

–> Câmara de BH aprova PL que deve facilitar instalação de antenas 5G na cidade

As operadoras também contam que o sequestro dessas antenas gera um prejuízo que ultrapassa os R$ 100 milhões por ano, apenas com a reposição dos equipamentos. Além disso, as empresas afirmam que já pediram ajuda das autoridades para a recuperação das instalações.

A situação se torna ainda mais grave durante o período de pandemia, pois muitos estão trabalhando e estudando de casa e precisam de internet para realizar suas obrigações.

De acordo com o presidente executivo da Conexis Brasil Digital, Marcos Ferrari, os serviços de telefonia e internet são fundamentais para a educação e saúde, além de atividades de utilidade pública, como bombeiro, polícia e emerência médica.

“Então, quando a população fica cerceada de ter acesso a esses serviços, ela acaba sendo prejudicada”, afirma.

O Ministério Público do Rio de Janeiro se manifestou sobre o caso e disse que vai pedir à Polícia Civil a instauração de inquérito sobre os fatos.

Já a Secretaria de Polícia Civil do estado afirmou que vem realizando fiscalizações e operações para impedir a atuação dos criminosos e que já há uma investigação em andamento a respeito dos atos ilícitos.

Com informações de G1.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários