Covid-19 faz dobrar consumo de internet no Brasil

Pandemia fez com que um número maior de pessoas trabalhassem de casa ou procurassem novos passatempos na quarentena.

Oi também transfere seu call center para o home office

Pesquisa da Amdocs revela que o brasileiro praticamente duplicou a quantidade de horas que passa na internet trabalhando de casa por conta da pandemia de covid-19.

O levantamento foi realizado com consumidores de dez países e apresentado em coletiva de imprensa virtual nesta terça-feira, 11. A pesquisa avaliou o comportamento do usuário desde o início da pandemia.

No Brasil, o número de horas de uso da internet para trabalho de casa (WFH, do inglês working for home) passou de 03h41 por dia para 06h44 por dia — um aumento de três horas.

De acordo com Clayton Cruz, presidente da Amdocs para a América Latina e Caribe, isso torna necessário novos requerimentos de segurança e infraestrutura, implicando em desafios para provedores.

VEJA TAMBÉM:

–> Olimpíada deve disparar contratações e ‘upgrades’ de internet

–> Amazon prepara entrada no mercado de internet via satélite

–> Na pré-pandemia, mais de 4 milhões de estudantes não tinham acesso à internet

Permanecer mais tempo em casa dependendo da conexão com a internet fez com que os consumidores se tornassem mais exigentes com a velocidade, cobertura do WiFi e estabilidade do serviço.

A maior preocupação para os brasileiros, de acordo com a pesquisa, foi a queda do sinal de internet (50%), perda de informações (28%) e ataques cibernéticos (19%).

Tanto consumidores do Brasil quanto do México acreditam que, mesmo após a pandemia passar, o trabalho de casa deve permanecer. A pesquisa considerou redes fixas e móveis.

Questionados sobre os serviços agregados que poderiam ter em casa depois da crise causada pela Covid-19, 56% dos brasileiros mencionaram serviços de segurança, 47% serviços de nuvem e 38% controle de casa via internet.

Tudo isso representa uma oportunidade para as empresas que prestam serviço online, de acordo com Clayton Cruz. Para ele, a pesquisa mostra o caminho a ser seguido e demonstra a necessidade de democratizar a banda larga.

Ele diz que tem acompanhado os provedores e observa um aumento no número de empresas pequenas que levam banda larga a preços competitivos onde as operadoras não alcançam.

“Mas tem de levar a banda larga com qualidade e isso não é só se conectar; é se conectar e ter qualidade boa”, enfatiza.

Para ele, os resultados da pesquisa estampam que se faz necessário oferecer uma conexão que tenha boa qualidade e segurança, além de agregar serviços como aqueles na nuvem.

Com relação a entretenimento durante a quarentena, os dados mostram que, enquanto o consumo de streaming aumentou no Brasil, não chegou a dobrar: foi de 02h30 para 03h43.

Isso posiciona o país abaixo da média global, de aproximadamente duas horas. Sobre a compra de conteúdo online, como filmes, músicas e jogos, houve um incremento de 71% no Brasil — acima da média mundial de 53%.

Com informações de Convergência Digital

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários