Na pré-pandemia, mais de 4 milhões de estudantes não tinham acesso à internet

Alunos da rede pública foram os que mais enfrentaram dificuldades em um cenário de ensino à distância.

Na pré-pandemia, mais de 4 milhões de estudantes não tinham acesso à internet

No último trimestre do ano de 2019, antes do início da pandemia, 4,3 milhões de estudantes no Brasil, com 10 anos ou mais, não tinham acesso à internet.

A maioria deles eram de escolas públicas (95,9%).

Apenas 174 mil alunos que frequentavam escolas particulares não tinham conexão à rede mundial de computadores.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgados nesta quarta-feira, 14 de abril, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

VIU ISSO?

–> Quase mil cidades brasileiras não possuem backhaul de fibra

–> Sobe o preço da banda larga no Brasil

–> STF suspende compartilhamento de dados com IBGE

O estudo investiga o acesso da população aos serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) em 2019.

Apesar dos mais de 4,3 milhões de alunos desconectados, a pesquisa apontou que 88,1% dos estudantes brasileiros acessavam a internet. Em 2018, esse percentual era de 86,6%.

Entretanto, as regiões Norte e Nordeste apresentaram o menor percentual de alunos conectados, 68,4% e 77,0%, respectivamente.

“Isso está relacionado à renda. 26,1% dos estudantes não utilizaram a internet por considerar o serviço caro e 19,3% devido ao custo do equipamento eletrônico para navegar na rede. Essas diferenças são ainda maiores entre os estudantes da rede pública e da rede privada, revelando um traço de desigualdade que ficou ainda mais evidente na pandemia, quando o ensino presencial foi suspenso e as famílias tiveram que se adaptar às aulas remotas”, explicou a analista da pesquisa, Alessandra Scalioni Brito.

A pesquisa do IBGE apontou que somente 64,8% dos estudantes da rede pública tinham celular para uso pessoal.

A diferença era maior no Norte do país, onde apenas 47,5% dos alunos tinham o dispositivo.

Já no ensino privado, 92,6% dos estudantes contavam com os aparelhos.

“Esses dados mostram que estudantes da rede pública tinham menos acesso a telefone próprio e a questão financeira tinha um peso maior. E como o celular é o principal meio de acesso à internet, num contexto de ensino remoto, provavelmente, esses estudantes terão mais dificuldades do que os da rede privada”, conclui a analista da pesquisa

Com informações de IBGE.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários