Netflix quer zerar emissões de gases poluentes até o final de 2022

Em 2020, a empresa gerou cerca de 1,1 milhão de toneladas métricas de CO2, sendo metade proveniente da produção de séries e filmes originais.

Netflix quer zerar emissões de gases poluentes até o final de 2022

Nesta quarta-feira, 30 de março, a Netflix anunciou a meta de zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa até o final de 2022 e em todos os anos a partir de então.

Chamado de “Net Zero + Nature”, o plano consiste em reduzir parte das emissões de carbono e encontrar maneiras de compensar o resto.

Em 2020, a pegada de carbono da Netflix foi de 1,1 milhão de toneladas métricas.

Cerca de metade dessa emissão de CO2 (50%) foi gerada pela produção de filmes e séries originais do serviço de streaming, incluindo também conteúdo licenciado e feito por produtoras terceirizadas.

VIU ISSO?

–> Globo e Netflix desmentem suposta ‘união’ no mercado

–> Netflix pretende lançar novo plano de assinatura de baixo custo

–> Netflix realiza mudança para conseguir atender demanda de usuários

As operações corporativas e bens adquiridos representam 45% das emissões.

O restante (5%) da pegada de carbono é proveniente da transmissão do conteúdo, feito a partir do uso de provedores em nuvem da Amazon Web Services e da rede de distribuição de conteúdo Open Connect.

A empresa ressalta que não está incluso nessas emissões de carbono o que é gerado pela infraestrutura utilizada pelos clientes para assistir aos conteúdos da Netflix.

Para diminuir as emissões de CO2, a Netflix planeja, por exemplo, investir em programas que preservam e restauram ecossistemas em áreas naturais de risco, como florestas tropicais, que armazenam naturalmente o dióxido de carbono.

Recentes esforços de reflorestamento não conseguiram reduzir as emissões de gases, mas a Netflix diz que desenvolveu um processo minucioso, que envolve visitas presenciais aos locais e monitoramento via satélite.

A companhia também diz que pretende substituir sempre que possível combustíveis fósseis por energia renovável, além de usar mais equipes locais durante a gravação de novas produções, a fim de evitar a poluição causada por viagens.

Na lista também estão medidas simples, como trocar lâmpadas incandescentes em estúdios por iluminação LED, mais econômicas sob o ponto de vista energético, além de reduzir o consumo necessário para resfriar o ambiente de gravação.

O projeto é comandado por Emma Stewart, contratada no ano passado para se tornar a primeira diretora de sustentabilidade da Netflix.

“A Estratégia de Sustentabilidade da Netflix é música para nossos ouvidos. Estamos muito satisfeitos em ver a Netflix aplicar a mesma interrupção positiva à sustentabilidade que aplicou em seus negócios, aumentando a ambição de atingir metas líquidas de curto prazo e aproveitando seu superpoder de contar histórias para educar e entreter os cidadãos”, diz Christiana Figueres, co-arquiteta do Acordo de Paris da Organização das Nações Unidas (ONU).

A Netflix divulgou um vídeo (em inglês) no qual apresenta o projeto “Net Zero + Nature”.

Com informações de Assessoria de Imprensa Netflix e The Verge.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários