Netflix realiza mudança para conseguir atender demanda de usuários

Grande migração vai permitir lançamentos de mais conteúdos e novas funcionalidades para a plataforma de streaming.

A Netflix pretende realizar até o final deste ano uma grande migração de infraestrutura para aguentar a crescente demanda de usuários.

Anunciada nesta semana, a empresa pretende substituir a antiga arquitetura de software por uma nova, mais moderna e preparada para o lançamento de novas funcionalidades e produções para o catálogo do serviço de streaming.

Batizada de Reloaded, a estrutura atual é formada por sistemas legados e tem sido utilizada nos últimos sete anos.

Essa plataforma tem foco exclusivo no processamento de áudio e vídeo, podendo suportar o crescimento de conteúdo ainda por muitos anos, mas tem limitado o lançamento de novos recursos para a Netflix.

VIU ISSO?

–> ‘Downloads para você’: Netflix lança novo recurso inteligente

–> Desde 2014, preço da Netflix no Brasil aumentou 95%

–> Bridgerton: Produção se torna a série mais assistida da Netflix

Desde que o Reloaded foi desenhado, o número de usuários saltou em mais de 10 vezes.

Ao mesmo tempo, o número de desenvolvedores para manter a plataforma triplicou.

“Não podíamos mais esperar que todos possuíssem o conhecimento especializado necessário para construir e implantar novos recursos. Lidar com problemas de produção tornou-se uma tarefa cara que cobrava um imposto de todos os desenvolvedores porque o código da infraestrutura estava todo misturado com o código do aplicativo. O modelo de dados centralizado que nos serviu bem quando eramos uma equipe pequena tornou-se um problema”, afirmou Frank San Miguel, engenheiro sênior de software da Netflix.

Por isso, a companhia achou melhor investir no desenvolvimento de um novo sistema, o Cosmos.

O trabalho começou em 2018, com os desenvolvedores utilizando recursos da nova arquitetura a partir de 2019.

O Cosmos foi pensado para crescer ao redor do Reloaded até, finalmente, substituí-lo.

O novo sistema continua a rodar a partir da nuvem da Amazon, mas funciona de forma menos centralizada, separando códigos de infraestrutura daqueles que regem as aplicações da Netflix.

A ideia é que ele permita que os desenvolvedores trabalhem melhor e mais rápido, gastando mais tempo com seus problemas de negócios e menos tempo lidando com infraestrutura.

Ao longo deste ano, ocorre a migração de forma definitiva.

Após a conclusão da mudança, os desenvolvedores continuarão a trabalhar para tornar o Cosmos mais rápido e eficiente.

Com informações de Canaltech e The Netflix Tech Blog.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários