Início5GDeputados cobram o fim da interferência política sobre o 5G

Deputados cobram o fim da interferência política sobre o 5G

Parlamentares defendem que o eventual banimento da Huawei prejudicará o Brasil.

Crédito da Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Nesta quarta-feira, 2, durante sessão do plenário virtual, os parlamentares cobraram uma ação do Congresso Nacional quanto à possibilidade do Brasil banir o uso de equipamentos da Huawei nas futuras redes 5G.

Os parlamentares temem que a demanda sofra interferência política sem o devido respaldo técnico, diante da possibilidade do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), seguir a orientação dos EUA de bloquear o uso de produtos chineses nas redes móveis.

Durante a discussão, a deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) lembrou o recente comunicado das operadoras sobre os riscos do potencial bloqueio de fornecedores.

“Não podemos aceitar que questões ideológicas e não técnicas estejam na frente do debate do 5G no Brasil. Esse ambiente de incertezas pode impactar o desempenho do setor, pois eventuais restrições implicarão em potenciais desequilíbrios de custos e de atrasos ao processo, afetando diretamente a população brasileira”, afirmou Perpétua.

A deputada também ressaltou os problemas de integração da infraestrutura atual, assim como as consequências diretas aos serviços prestados e seus custos associados, caso a Huawei seja de fato banida no país.


VIU ISSO?

–> Operadoras ameaçam ir à Justiça se o Brasil decidir banir a Huawei

–> Mourão minimiza declaração de Eduardo Bolsonaro sobre a China

–> Edital do 5G deve ficar pronto até janeiro de 2021, diz Fábio Faria

Após a resposta da embaixada chinesa ao tweet do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu a criação de um grupo de trabalho para acompanhar a implantação do 5G no país.

Maia escolheu a deputada Perpétua Almeida para organizar e liderar o novo grupo de trabalho.

O presidente da Câmara também apresentou requerimento para destituir Eduardo Bolsonaro da presidência da Comissão de Relações Exteriores.

“Uma instituição que se deve dar ao respeito, não pode permitir que seus membros achincalhem outros países prejudicando históricas relações”, argumentou Maia.

Com informações de Teletime e Valor Econômico.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários