Reino Unido pretende acelerar retirada da Huawei de suas redes

COMPARTILHAR:

Serviço secreto britânico afirma que agora tem ‘boas razões técnicas’ para eliminar fabricante chinesa de sua infraestrutura de telecom.

As autoridades do Reino Unido não estão apenas decididas a bloquear o uso de tecnologias da Huawei em sua infraestrutura de telecomunicações, mas também pretendem acelerar o processo, interrompendo a instalação de equipamentos da fabricante em um curtíssimo prazo, de apenas seis meses.

Em maio deste ano, o governo local havia determinado que a Huawei tinha até 2023 para reduzir seu envolvimento nas redes 5G do Reino Unido.

Entretanto, a partir de uma reavaliação de segurança, o serviço secreto britânico afirmou que o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, agora tem “boas razões técnicas” para começar a eliminar tecnologia da fabricante chinesa das redes 5G da Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

“A avaliação de segurança agora é diferente, porque os fatores mudaram”, disse Sir John Sawers, ex-chefe da inteligência britânica.

Para isso, já estão sendo analisadas propostas para remover e substituir os hardwares existentes implementados.

Esta é mais uma reviravolta na questão do 5G no Reino Unido.

Em janeiro, o primeiro-ministro havia autorizado o uso da tecnologia chinesa nas redes 5G, desde que não ultrapassassem o teto de 35% de participação e somente com aprovação das agências de inteligência.

VIU ISSO?

–> Operadoras querem Huawei nas redes 5G do Brasil

–> Vivo é citada pelo governo dos Estados Unidos

–> Leilão do 5G fica para 2021

Na época, a decisão foi contra os alertas emitidos pelos Estados Unidos de que a Huawei não é um fornecedor confiável, por realizar espionagem industrial para o governo chinês.

Porém, em maio, o governo britânico voltou atrás e anunciou que pretendia remover completamente os equipamentos da fabricante chinesa, por preocupações com a segurança.

Na última semana, a Huawei foi oficialmente designada como uma ameaça à segurança nacional pela Comissão Federal das Comunicações dos EUA (FCC, na sigla em inglês). Em comunicado, a fabricante chinesa afirmou que as sanções dos EUA contra a empresa “não são sobre segurança, mas sobre posição no mercado”.

Com informações de Gizmodo.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários