Oi vai emitir R$ 2,5 bi em debêntures da divisão móvel

Operadora enviou comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na manhã desta segunda-feira, 23.

Imagem: Unsplash

A Oi (OIBR3 / OIBR4) segue em passos estratégicos para recuperar o fluxo do seu caixa e sair bem-sucedida da recuperação judicial que vive desde 2016. Na manhã desta segunda-feira, 23, a operadora comunicou que vai emitir debêntures simples para levantar R$ 2,5 bilhões. O vencimento é em 24 meses a partir da data de emissão.

Para que os que ainda estão perdidos, debêntures são títulos de dívida. O investimento é como um empréstimo para a empresa em questão, onde o investidor assume o papel de credor e recebe juros fixos ou variáveis no final do período compactuado.


Aqui, a Oi assinou a escritura para a emissão privada de debêntures não conversíveis em ações. Os investidores serão remunerados conforme a variação do dólar americano, mais juros de 12,66% no ano nos 12 primeiros meses e 13,61% nos outros.

As garantias reais e fidejussórias dos papéis são da Oi Móvel, divisão responsável pelos serviços de telefonia móvel e TV por assinatura oferecidos pela marca, sob controle da Telemar Norte Leste, responsável pelo serviço fixo.

VIU ISSO?

–> Conselho da Oi indica Rodrigo Abreu para o cargo de presidente

–> Oi começa a cogitar venda da operação móvel

–> Vivo confirma interesse na operação móvel da Oi

A conclusão deve ser realizada até janeiro de 2020, de acordo com o prazo estipulado por Rodrigo Abreu na última apresentação de resultados da Oi. Atualmente, o executivo ocupa o cargo de Diretor de Operações, mas vai assumir como presidente em 31 de janeiro.

Trata-se de um recurso que pode fortalecer o caixa enquanto a operadora não se desfaz da sua participação na angolana Unitel, que deve render US$ 1 bilhão para a empresa carioca.

A Emissão foi aprovada com fundamento no que prevê a Clausula 5.3 do Plano de Recuperação Judicial das Empresas Oi e está inserida no contexto de um financiamento extraconcursal, na modalidade Debtor in Possession Financing (DIP Financing)”, disse a companhia no comunicado enviado.

Ou seja, a operação foi aprovada em um contexto extraconcursal, no âmbito da recuperação judicial.

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

1
DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, FAÇA LOGIN para comentar
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Tauan Fontoura
Colaborador
Tauan Fontoura

Rentabilidade razoável de 1% bruto ao mês.
Mas não vale a pena o risco.
Quem vai confiar de emprestar dinheiro pra Oi?
Sem garantia de poder pelo menos poder converter a dívida em ações.

Cidade - UF
Porto Velho RO