Reconhecimento de imagens com 5G: segurança versus privacidade?

Depois de vídeos promocionais na China, cresce o debate sobre o uso de 5G com reconhecimento de imagens e como isso afeta a privacidade.

Começaram a circular neste ano vídeos demonstrando o que a tecnologia de reconhecimento de imagens pode fazer quando utilizada em conjunto com o 5G. Os mais comentados são os que envolvem seu uso pelas forças de segurança, em especial na China.

Os vídeos mostram o 5G e o reconhecimento de imagens (ou reconhecimento facial), sendo utilizados por policiais chineses em diversas situações, através de óculos equipado com câmeras e acoplado a dispositivos usando a rede 5G.


China Mobile divulgando o 5G:
Será que teremos essa precisão no reconhecimento facial?

Um possível futuro?

Em uma das cenas o policial examina a multidão com um par de óculos equipado com reconhecimento facial. Logo ele identifica um criminoso. Seu disfarce poderia ter enganado humanos, mas não a tecnologia. Em outro momento, ele pede a identidade de um cidadão e usa o reconhecimento facial para confirmar se a pessoa é a mesma da identidade.

Tem mais: o policial recebe um alerta e usa a tecnologia de reconhecimento para identificar um carro suspeito. O sistema de policiamento inteligente usando 5G transforma o policial chinês num tipo de “robocop” moderno. No final do vídeo vemos ainda que tudo o que esse “robocop” vê pode ser acompanhado por uma central.

Esse tipo de tecnologia está gerando controvérsia. Enquanto uns apoiam a proibição para manter a privacidade, outros apoiam a liberação para garantir a segurança e prevenção ao crime.

Uma realidade muito próxima

Mas o que o vídeo mostra é que na China isso é questão de tempo. Enquanto no ocidente isso virou um debate, na China as pessoas, em sua grande maioria, parecem estar felizes com a segurança física prometida pela tecnologia e acreditam que o resto do mundo é perigoso sem ela.

“Muitas pessoas na China parecem estar felizes com a segurança física prometida pela rede de vigilância. A nossa mentalidade, há muito tempo, estava ligada à segurança e à liberdade como uma opção ou outra. Os chineses acreditam que somente os criminosos precisam ter medo”, Jianan Qian, escritora chinesa, New York Times.

VIU ISSO?
Reconhecimento facial no Rio de Janeiro utiliza software da Oi
Reconhecimento facial da Oi é utilizado no Maracanã
Vivo está cadastrando rostos de clientes

E no Brasil?

Nesta terça-feira (09) em Copacabana, no Rio de Janeiro, o sistema de câmeras de segurança com reconhecimento de imagens que usa inteligência artificial causou uma confusão. Ele indicou que uma mulher criminosa, condenada por espancar um homem até a morte, tinha sido localizada.

Em 5 minutos, uma viatura da Polícia Militar do Rio de janeiro localizou a mulher e a levou para a delegacia. Lá ela foi identificada corretamente como inocente e liberada.

A polícia procurava Maria Lêda Félix da Silva, condenada em julho deste ano a sete anos de prisão por homicídio e ocultação de cadáver.

“As câmeras trabalham com uma estatística de reconhecimento, assim que o sistema aponta 70% de possibilidade da pessoa ser a procurada, uma viatura é direcionada ao local. A abordagem é feita com respeito aos Direitos Humanos e com cautela do agente. Os policiais militares tentam checar a identificação da pessoa abordada no local. Porém, em casos de dúvida ou de homônimos, elas são levadas para a delegacia”, informou o porta-voz da PM, coronel Mauro Fliess.

Consequências do erro

O sistema, que conta com 25 câmeras, já cometeu erros antes no Carnaval. Sistemas com baixo índice de compatibilidade, abaixo de 90%, ficam sujeitos a maior chance de erro.

Pesquisadores já apontaram que algumas etnias têm mais chances de caírem em falsos positivos, especialmente mulheres negras.

“Qualquer pessoa honesta sofrerá constrangimentos e danos psicológicos ao ser detida pela polícia, confundida com uma meliante. Cabe ação de indenização por danos morais”, segundo o advogado criminalista Carlos Maggiolo.

About Robson Campos
Analista de Sistemas Web e Mobile, instrutor, palestrante e mochileiro. Apaixonado por Segurança Digital e Mobilidade, atuando desde 1994 nas principais e maiores empresas de Telecom no país.

1
Deixe um comentário

Por favor, faça login para comentar
1 Número de Comentários
0 Número de Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário com mais interação
1 Autores de comentários
Tauan Fontoura Autores recentes de comentários
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Tauan Fontoura
Colaborador
Tauan Fontoura

Brasil, país onde o cachorro mija no poste.
Com certeza em todo país evoluído com maioria da população de bem isso vai ser implementado o quanto antes.
No Brasil vai ser muito difícil pq vai achar vagabundos mais fácil.
Mas o brasileiro gosta de bandido.