14/07/2024

Pré-pago tem primeira queda desde o início da pandemia

Confira os números!

De acordo com dados divulgados pela Anatel, enquanto frequências novas não chegam, o 5G DSS agora supera a marca de 1,5 milhão, e o 4G continua bem com 77% do total da base nacional.

Consumo de dados no celular cresceu mais de 350% nos últimos 3 anos
Foto: Reprodução Internet

Além dessas informações, a Anatal revelou a primeira queda do pré-pago em quase dois anos, ou seja, desde que a pandemia começou no Brasil, em março de 2020. O pré-pago caiu 0,10% e ficou em 119,167 milhões de acessos.

Já o pós-pago continuou a crescer: 0,80%, totalizando 136,500 milhões de linhas.

No início do segundo trimestre de 2020, o mercado contava com 114,123 milhões de linhas pré-pago, e ainda mostrava uma tendência de queda no total devido ao fim do “efeito clube”.

LEIA TAMBÉM:

–> Maioria dos brasileiros consideram que ‘WhatsApp Pay’ não é seguro, diz pesquisa

–> Brasileiros são os que mais aceitam rastreamento no iPhone

–> DiaMundialdasTelecomunicações: 3 mudanças que os brasileiros querem no setor

Daquele mês em diante, com a contínua deterioração da economia brasileira não apenas pelo impacto do vírus, mas com os índices de desemprego em crescimento, o pré-pago voltou a ser uma opção mais segura para os brasileiros com cada vez menos poder de compra.

Em janeiro deste ano, com menos restrições e com a vacinação, pode ter havido um maior otimismo em optar pelos planos controle e pós-pagos. Mas mesmo esses tiveram um crescimento menor do que o registrado entre novembro e dezembro (0,99%). Lembrando que a variante ômicron provocou uma nova onda de contaminações no País nos dois primeiros meses de 2022.

Brasileiros são os maiores usuários de serviços pré-pagos, afirma estudo

Estudo afirma que os brasileiros são os usuários que mais consomem serviços de telefonia celular pré-pagos no mundo. Em sua segunda edição, o estudo Global Pre-Paid Index (GPI) foi realizado pela Ding, um serviço internacional de recarga de celular.

O estudo mostra que 86% dos brasileiros preferem o serviço pré-pago, perdendo apenas para a Arábia Saudita com 89%. Enquanto que no México, 82% dos consumidores utilizaram esse tipo de serviço.

Segundo Mark Roden, fundador e presidente-executivo da Ding,

“A flexibilidade oferecida pelos serviços pré-pagos é muito mais atraente para a maioria do mercado brasileiro do que as caras opções de contratos de longo prazo”.

Dados do estudo mostram que 37% dos usuários brasileiros preferem o serviço pré-pago por permitir ter um orçamento melhor, enquanto que 35% preferem pagar apenas pelo o que usa.

1 COMENTÁRIO

Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais Votados
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários