Recarga de celular pré-pago pode ganhar validade de um ano

Se aprovado, projeto de lei vai impor a obrigatoriedade para as operadoras.

Ilustração
Meghan Schiereck (Unsplash)

Todo usuário de telefonia pré-paga certamente já passou pela situação. A recarga é feita, a validade de 30 dias é estipulada, mas nem sempre é possível fazer o uso de todo o valor durante o período.

É por isso que algumas operadoras simplesmente bloqueiam o crédito até que seja feita uma nova compra, ou somem com o valor que estava disponível por conta das regras estabelecidas para os clientes.


Entretanto, é um problema que pode estar prestes a acabar. Um novo projeto de lei aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) quer alterar a regulamentação atual e impor a obrigatoriedade para as empresas de telecomunicações.

O PL 618/2007 estabelece que as empresas vendam créditos com validade de um ano. A regra atual da Anatel é que a duração mínima seja de 30 dias.

Apesar da aprovação já conquistada, o texto foi reprovado pela Comissão de Tecnologia e Ciência (CCT). Portanto, a partir de agora, é necessário que façam uma votação com a presença de todos os deputados.

VIU ISSO?

–> Pré-pago da Vivo ganha ligações para celulares locais ilimitadas

–> Vivo Easy devolve 50% do valor na compra de dados móveis

–> O fim de uma era: migração do pré-pago para pós-pago

Se aprovado, a lei pode entrar em vigor. As companhias que não cumprirem com a norma poderão sofrer multas, suspensão temporária e até mesmo advertências.

Depois de uma votação na Câmara dos Deputados, o PL segue para aprovação do Senado. Na sequência, caberá ao presidente em exercício Jair Bolsonaro aprovar ou vetar.

Mas, é preciso observar as práticas das operadoras para que elas não consigam “driblar” a lei. Muitas já vendem pacotes de serviços para clientes pré-pagos com duração estabelecida. Ou seja, assim que o consumidor faz a compra, o crédito é consumido para o sustento de um plano.

Dessa maneira, basta uma empresa elevar os custos individuais para cada serviço e induzir que o consumidor final compre um plano com a própria recarga.

Com informações de EXAME

COMPARTILHAR EM:

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Bulukka

Coitada das operadoras. Eu tenho uma linha que se pudesse, só colocaria crédito de ano em ano.

Cidade - UF
Goiás