06/07/2022

Anatel publica atos que autorizam o uso de espectro da Oi Móvel

Com as outorgas, a agência dá continuidade a venda da unidade móvel da Oi para a TIM, Vivo e Claro; saiba detalhes.

Na segunda-feira (14) a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou nos Diário Oficial da União (DOU) os dois atos da Superintendência de Outorgas e Recursos à Prestação que dão continuidade à operação que autorizou a venda da unidade móvel da Oi para TIM, Vivo e Claro. Os atos se referem ao direito de uso de frequência que era da Oi Móvel para as três operadoras.

Com as outorgas, a agência transfere a fatia de espectro que será de cada uma das operadoras compradoras. Chamadas de Sociedades de Propósito Específico (SPEs), elas formam criada internamente da Oi e correspondem ao conjunto de ativos que serão distribuídos entre a TIM, Vivo e Claro, que já tinham recebido a aprovação da transferência de outorgas na semana passada.

As três SPEs foram divididas em Jonava (Claro), Galiarva (Vivo) e Cozani (TIM). Embora a Claro não tenha comprado ativos de espectro da Oi Móvel, a autorização precisa acontecer para o caso de operação em compartilhamento de rede de acesso (RAN sharing) ou de uso em caráter secundário.

No caso, as autorizações para a empresa são para municípios das regiões Norte, Nordeste e Sudeste (sobretudo Minas Gerais), para uso das faixas de 900 MHz, 1.800 MHz, 2,1 GHz e 2,5 GHz.

LEIA TAMBÉM:

–> Oi Móvel: consumidor terá que migrar para pacote mais caro, afirma Luis Braido

–> Compromissos assumidos pelas operadoras na compra da Oi Móvel

–> Venda da Oi Móvel para TIM, Vivo e Claro é aprovada pelo Cade

Na Garliava, que será para a Vivo, a autorização é de uso das bandas de 900 MHz, 1,8 GHz e 2,5 GHz, sobretudo no Nordeste. Já a Cozani para a TIM, maior beneficiada com o espectro que era da unidade móvel da Oi, é a autorização para todas essas faixas (e a de 2,1 GHz) nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste (com destaque para Minas Gerais e Rio de Janeiro).

A Superintendência de Outorgas e Recursos à Prestação (SOR) da Anatel, juntamente com os dois atos, determinou os preços públicos para as respectivas faixas, baseado no regulamento do PPDUR, Resolução nº 695/2018. A validade das outorgas tem validade de um ano, em todos os casos.

Cleane Lima
Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
0
O que você acha? Comente!x