InícioDefesa do ConsumidorShopee pode ser multada em mais de 10 milhões pelo Procon-SP

Shopee pode ser multada em mais de 10 milhões pelo Procon-SP

Diretor geral do Procon-SP, Fernando Capez, declarou em reunião que o e-commerce não está cumprindo as leis brasileiras e deve ser advertido.

A Shopee, plataforma de comércio eletrônico, pode ser multada pela Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP) em até R$ 10,9 milhões por não estar em conformidade com a legislação brasileira, como a oferta de produtos sem nota fiscal.

Em entrevista ao Tecnoblog, Fernando Capez, diretor geral do Procon-SP, afirmou que

“Especialistas estão analisando a justificativa da Shopee. Na minha opinião, como ela não procede, eles devem multar [a empresa]. A multa pode chegar a até R$ 10,9 milhões, a depender do faturamento da companhia. O Procon-SP cogita [a multa] e a tinta está cheia — falta apenas colocá-la no papel. A sanção seria por oferecer produtos sem nota fiscal, contrafeitos e contrabandeados. Estamos observando isso faz tempo, e a função do Procon é defender os consumidores do estado de SP e defendê-los da Shopee.”

A declaração sobre as atividades da Shoppe foi comentada em um encontro desta quarta-feira (27) com investidores dos EUA, China e Japão. Estavam presente também alguns clientes do Bank of America, que possuem ações do Sea Group, controlador da Shoppe.

Durante o encontro, os investidores queriam saber se era seguro apostar no e-commerce. Fernando Capez falou que não era bom apostar no Shopee, já que não está oferecendo negócios seguros, além de não cumprir as leis brasileiras.


LEIA TAMBÉM:

–> Shopee ‘bomba’ no Brasil e deve preocupar concorrentes como Magalu e Mercado Livre

–> Procon-SP pede explicações a Shopee sobre possíveis produtos falsificados

–> Aplicativo Facily é investigado pelo Procon de São Paulo

Segundo Capez, além de não emitir nota fiscal, o Shopee não tem mostrado interesse em tomar atitude para inibir o comércio pirata, sendo que muitos produtos comercializados na plataforma são classificados como réplicas.

Fernando Capez também afirma que a plataforma de comércio eletrônico está violando o Código de Defesa do consumidor, que está acima do Marco Civil da Internet. Isto porque, muitos e-commerces estão usando o marco para justificar o comércio de produtos irregulares no país.

Por fim, o diretor geral do Procon-SP afirma que o Shopee será advertido publicamente e recomenda que os consumidores não adquiram serviços da plataforma.

SourceTecnoblog
Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários