InícioEconomia e NegóciosOi pretende reerguer a empresa e sair da proteção judicial

Oi pretende reerguer a empresa e sair da proteção judicial

Após cinco anos em recuperação judicial, a Oi pretende sair da proteção, mas precisa receber aval da Anatel e do Cade; entenda o caso.

Há cinco anos, a operadora de telefonia Oi registrava o pedido de recuperação judicial com uma dívida de cerca de R$ 65,4 bilhões. Atualmente, a operadora está com uma dívida líquida de R$ 21,8 bilhões, com a estimativa de cair para R$ 14 bilhões em 2024.

Com isso, a operadora pretende sair da proteção contra credores e colocar a empresa novamente no mercado. No entanto, para isso, é necessário que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) dê sinal verde para a Oi.

Mesmo com a diminuição da dívida durante esses anos, a receita da Oi reduziu de R$ 26 bilhões para R$ 18,8 bilhões. Enquanto que o prejuízo aumentou de R$ 8,2 bilhões para R$ 10,5 bilhões, somente ano passado.

No segundo trimestre deste ano, a Oi mostrou uma recuperação com lucro de R$ 1,1 bilhão na sua receita. Mas na bolsa, as ações não têm prosperado.


LEIA TAMBÉM:

–> Venda de imóvel da Oi no Leblon é aprovada em conselho

–> Oi vende InfraCo para o grupo BTG por R$ 12,9 bilhões

–> Bilionário que tentou comprar a Oi Móvel e a InfraCo é preso nos EUA

Antes de estar em recuperação judicial, os papéis da operadora valiam R$ 1,63. No mês em que foi pedido a proteção judicial, as ações caíram para R$ 0,94, o mesmo valor registrado na última segunda-feira (11).

Com o valor abaixo do preço-alvo de R$ 2,65, as ações da Oi são recomendadas por três entre as quatro casas de análise da bolsa.

Recuperação Judicial (RJ)

Desde que solicitou a proteção judicial contra credores, para evitar a possível falência, a Oi tem vendido ações, imóveis, torres e datas centers e telefonia móvel.

Entre as principais vendas feita pela operadora estão a Unitel, vendida por um valor de R$ 4,2 bilhões, torres e datas centers por R$ 1,4 bilhões e a telefonia móvel, vendida por R$ 15,8 bilhões.

Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.

5 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
5 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários