InícioTelefonia CelularJustiça determina que TIM faça reparo na rede de telefonia no Amazonas

Justiça determina que TIM faça reparo na rede de telefonia no Amazonas

Consumidores e Anatel percebem serviço aquém prestado pela TIM, e operadora é obrigada a fazer reparos na rede; saiba detalhes da ação.

Após o Ministério Público do Estado do Amazonas receber diversas reclamações sobre os serviços de telecomunicação móvel prestados pela TIM, ficou determinado que a empresa providencie reparo na rede de telefonia em Juruá, no Amazonas.

Na Ação Civil Pública, ficou determinado que a TIM tem o prazo de 120 dias para fazer as reparações necessárias nos serviços prestados.

No processo, a Agência Nacional de Telecomunicações esclareceu que a conexão de dados móvel 2G apresentou resultado inferior aos estabelecidos, e ocorreu também interrupções do serviço de telefonia móvel prestado pela operadora, em 2019.

Tais informações foram consideradas suficientes para entender que a empresa TIM S/A não estava fornecendo serviços adequados e eficazes aos seus consumidores.


LEIA TAMBÉM:

–> TIM renova patrocínio com atual campeão do Novo Basquete Brasil

–> Operadora TIM faz campanha com Outdoor Social em Belém do Pará

–> Justiça determina que a Vivo reestruture sua rede em cidade de São Paulo

Segundo o juiz Gonçalo Brandão, que proferiu a liminar, as empresas de telecomunicações devem fornecer serviço digno para os seus clientes, especialmente por ser um serviço remunerado.

“Outrossim, é dever da empresa de telecomunicações fornecer serviço de telefonia minimamente digno aos usuários, já que se dispõe a tanto e é remunerada pelos consumidores que utilizam de seus serviços”, afirmou o juiz.

Além disso, foi considerado que se os consumidores pagam por um serviço que não é prestado de forma adequada, isto pode causar prejuízo de ordem financeira para eles.

O juiz também afirmou que assim como o consumidor tem o direito de saber as características do serviço contratado, a empresa deve se empenhar para prestar um bom serviço.

“Por outro lado, a medida não é irreversível, visto que, na hipótese de eventual improcedência do pedido, é obrigação contratual da empresa ré empenhar esforços para manter a prestação adequada e eficaz de serviço de telefonia ao consumidor, bem como é direito do consumidor ter informação clara quanto ao serviço contratado”, afirmou.

Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários