InícioEconomia e NegóciosVivo inaugura primeira usina de biogás na região Nordeste

Vivo inaugura primeira usina de biogás na região Nordeste

Operadora vai gerar energia a partir do gás proveniente de aterros sanitários.

Vivo inaugura primeira usina de biogás na região Nordeste

A operadora Vivo (VIVT3) anunciou que inaugurou a primeira usina de biogás da empresa na região Nordeste. O projeto faz parte das políticas de desenvolvimento sustentável da companhia.

A nova unidade foi instalada na cidade de Caruaru, no estado de Pernambuco, e terá capacidade para gerar 18,8 mil MWh/ano, o suficiente para atender mais de 1.100 unidades consumidoras da empresa localizadas no estado. Na lista estão lojas, sites e antenas.


No caso da energia por meio do biogás, a empresa converte o gás proveniente de aterros sanitários em energia mecânica, por meio de um processo controlado de combustão. A fonte faz funcionar um gerador que produz a energia elétrica, sendo injetada na rede da concessionária local.

No caso de Caruaru, a energia gerada pela Vivo é utilizada pela Companhia Energética de Pernambuco (CELPE), concessionária do grupo Neoenergia.

VEJA TAMBÉM:

–> Vivo pretende reciclar 1,5 milhão de aparelhos de banda larga e TV

–> Vivo aumenta bônus pago a executivos para estimular redução de CO2

–> Vivo coletou cerca de 7,6 toneladas de resíduos eletrônicos em 2020

A Vivo afirma que a instalação da usina de biogás de Caruaru gerou cerca de 83 empregos, entre diretos e indiretos. A operação contará com 11 postos de trabalho.

Esta é a segunda usina do tipo inaugurada pela Vivo. Ao todo já são 17 unidades operando com diversas fontes, como solar, hídrica e biogás.

A operadora prevê o uso de 70 usinas funcionando em 23 estados, além do Distrito Federal, com a maioria em operação até o final deste ano.

A ideia é que 80% do consumo em baixa tensão da Vivo seja atendido por este projeto de geração distribuída, atendendo mais de 28 mil unidades da empresa.

Quando todas usinas estiverem em operação, serão cerca de 670 mil MWh/ano de energia, o que pode abastecer o consumo de uma cidade de até 300 mil habitantes.

“A produção de energia renovável no modelo de geração distribuída traz benefícios econômicos, sociais e ambientais, pois contribui para minimizar perdas no sistema, alivia a carga da rede, evita impacto no meio ambiente e ainda incentiva o desenvolvimento local”, revela o diretor de patrimônio da Vivo, Caio Guimarães.

Dentro das práticas Ambientais, Sociais e de Governança (ESG, na sigla em inglês), a operadora mantém 100% do consumo de energia sendo proveniente de fontes renováveis, desde novembro de 2018.

Nos últimos cinco anos, a Vivo também reduziu em 70% as emissões de gases causadores do efeito estufa. As emissões que não são evitadas são compensadas com a aquisição de créditos de carbono.

Recentemente, a Telefónica (controladora da Vivo) passou a integrar o programa “The Climate Pledge” (“O Compromisso do Clima”, em inglês), no qual se compromete a reduzir as emissões de carbono na atmosfera.

Com informações de Assessoria de Imprensa Vivo.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários