InícioInternet Banda LargaClaro net é acusada de limitar internet banda larga

Claro net é acusada de limitar internet banda larga

Ao que tudo indica, o ‘fantasma’ da limitação voltou a gerar dúvidas nos consumidores da operadora; saiba detalhes.

Imagens do novo comercial da fibra óptica da Claro net
Imagem: Reprodução YouTube

Nesta sexta-feira, 18 de junho, a Claro net foi acusada de limitar a banda larga de seus clientes. O assunto, divulgado na imprensa, ressuscita o velho ‘fantasma’ da limitação de internet, que tanto polemizou entre os consumidores de telecomunicações.

Na ocasião, três consumidores da operadora compartilharam suas experiências e todas elas foram semelhantes.


Eles tiveram suas velocidades (normalmente acima de 200 Mbps) reduzidas para 40 Mbps. A prática foi consolidada após o trio ultrapassar a marca dos 4 Terabytes de tráfego.

O console XboX Series S foi um dos responsáveis, pois gera um aumento expressivo de tráfego no Game Pass, que é uma espécie de ‘Netflix dos games’. O download de jogos é o que gera o consumo.

RELEMBRE A POLÊMICA DA LIMITAÇÃO DE BANDA LARGA

–> Sofrendo represália na internet, Vivo emite comunicado e se defende

–> Petição contra limite na internet banda larga fixa atinge 300 mil assinaturas

–> Anatel volta a discutir a possibilidade de limitar a banda larga

A alternativa dos clientes foi entrar em contato com a Claro net e solicitar visitas técnicas para verificar o problema, já que a velocidade não voltava ao normal.

Os profissionais faziam uma espécie de ‘investigação’ no local para entender se não havia um uso irregular da banda larga na residência.

Um deles chegou a colocar dois roteadores para tentar solucionar o problema, mas nem todos recuperaram suas velocidades.

De acordo com a apuração do Tecnoblog, responsável pela publicação, existe franquia nos contratos de banda larga da Claro net, mesmo que a operadora não coloque a observação em suas divulgações.

No entanto, a mesma emitiu um comunicado com o esclarecimento de que não pratica redução e nem mesmo interrupção do serviço de seus clientes.

O que contradiz a visão da marca são as fontes anônimas ligadas à Claro que se manifestaram na situação.

Elas afirmam que existe um padrão para limitar o uso expressivo de banda larga, mas que isso jamais pode ser repassado para os clientes.

Por sinal, os clientes que serviram de cobaia para comprovação do fato seguem com suas velocidades reduzidas, sem resolução.

Um deles, por meio de uma ouvidoria, descobriu que seu nome está em uma espécie de lista na qual incluem clientes com algum tipo de bloqueio ou restrição.

Com informações de Tecnoblog

Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop. E-mail: [email protected]

6 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
6 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários