Banda larga via satélite ficará mais barata no Brasil

Congresso acaba de aprovar medida provisória que reduz carga tributária do setor.

Banda larga via satélite ficará mais barata no Brasil

O Senado aprovou nesta quarta-feira, 26 de maio, a medida provisória 1018/2020, que reduz a carga tributária sobre os serviços de banda larga via satélite, entre outras medidas.

Na prática, a medida vai reduzir os encargos incidentes sobre as antenas de pequeno porte ou “very small aperture terminal” (VSAT).

Serão desoneradas a Taxa de Fiscalização de Instalação (TFI), a Taxa de Fiscalização de Funcionamento (TFF), a Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública (CFRP) e a Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine).

Segundo o Executivo, responsável por editar a MP, a redução nos valores de taxas e contribuições vai ajudar a derrubar o preço do serviço de internet via satélite, dobrando a oferta da banda larga, principalmente em regiões rurais e remotas.

VEJA TAMBÉM:

–> Viasat quer impedir que SpaceX lance mais satélites da Starlink

–> Bolsonaro participa de inauguração de ponto de Wi-Fi em zona rural do Piauí

–> IBGE: Internet está presente em 83% dos domicílios brasileiros

O setor de telecom comemorou a aprovação, que ainda depende de sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

Para Marcos Ferrari, presidente executivo da Conexis Brasil Digital, a MP vai ajudar a impulsionar os investimentos no país.

“Medidas como esta são necessárias para a ampliação dos investimentos e das políticas públicas em telecom. E fundamentais para preparar o país para a chegada do 5G”, afirmou Ferrari.

Segundo a Conexis, o Brasil é um dos países que tem uma das maiores cargas tributárias no setor de telecomunicações do mundo.

Só em 2020, o setor de telecom pagou R$ 60,6 bilhões em tributos, o que representa 42% da receita líquida das empresas.

O texto aprovado pela Câmara e Senado também derrubou o teto de gastos para o uso do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) em investimentos na educação pública do país.

“É uma defesa histórica a utilização dos recursos recolhidos pelo setor para a construção de políticas públicas de telecomunicações para os cidadãos que mais precisam de conectividade”, apontou Ferrari.

A medida também moderniza a legislação para compartilhamento de torres de telefonia, o que beneficia a implantação do 5G.

Com informações de Conexis Brasil Digital.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários