InícioInternet Banda LargaStarlink reduz custos de produção, mas preço de ‘kit de recepção’ continua...

Starlink reduz custos de produção, mas preço de ‘kit de recepção’ continua caro

Serviço de banda larga via satélite já está disponível nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Nova Zelândia.

Starlink reduz custos de produção, mas preço de ‘kit de recepção’ continua caro

Na última semana, Gwynne Shotwell, presidente da SpaceX, anunciou que a empresa aeroespacial conseguiu reduzir pela metade os custos de produção dos “kits de recepção” da Starlink.

Segundo a executiva, a produção de cada terminal agora custa US$ 1.500 (R$ 8.589 na cotação atual), ante o valor inicial de US$ 3.000 (R$ 17.178).


Shotwell também disse que uma nova versão do terminal pode ficar US$ 200 ainda mais barato.

O kit de recepção inclui a antena parabólica, tripé, roteador e fonte de alimentação.

VIU ISSO?

–> Anatel ainda não recebeu pedido de operação da Starlink no Brasil

–> Internet via satélite da SpaceX começa a combater incêndios

–> Latência da internet da Starlink já é similar à banda larga dos EUA

Apesar da redução dos custos de produção, o terminal deve continuar a ser vendido ao consumidor final pelo preço de US$ 499 (R$ 2.857,25).

Ou seja, a cada novo kit vendido, a Starlink fica com um prejuízo de cerca de US$ 1.000 (R$ 5.726).

A empresa espera compensar essas perdas futuramente com a cobrança da mensalidade do serviço, que, atualmente, custa US$ 99/mês (R$ 566,87), tornando o serviço financeiramente viável apenas no longo prazo.

Perguntada sobre a possibilidade de a Starlink lançar planos diferenciados, de acordo com a velocidade ou franquia de dados contratado, ela afirmou que a ideia da companhia é manter o serviço o mais simples possível.

“Não acho que faremos preços diferenciados para os consumidores. Vamos tentar mantê-lo o mais simples e transparente possível, então, no momento, não há planos de escalonamento para os consumidores”, disse Shotwell.

Foto do kit de recepção da Starlink. Imagem: Alex Lockie

Em fevereiro passado, a SpaceX afirmou que já tinha 10 mil usuários nos Estados Unidos utilizando o serviço da Starlink.

O serviço de banda larga via satélite da empresa está atualmente em fase beta, sendo testado por usuários dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Nova Zelândia.

Há algumas semanas, a Starlink começou a notificar usuários brasileiros de que o serviço estaria disponível no país até o final deste ano.

Com informações de Teslarati e Business Insider.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

2 COMENTÁRIOS

Acompanhar esta matéria
Notificação de
2 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários