Vivo, TIM e Claro querem consentimento prévio da Anatel para compra da Oi Móvel

No documento, as operadoras defendem a legitimidade econômica e social da operação.

Logomarcas da Claro, TIM e Vivo em um fundo cinza
Imagem ilustrativa.

As operadoras Vivo, Claro e TIM pediram, nesta semana, a anuência prévia da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para a conclusão da compra da Oi Móvel.

No documento, as empresas defendem a legitimidade econômica e social do negócio, que daria continuidade ao atendimento dos clientes da Oi Móvel por “prestadoras reconhecidamente capacitadas e com longa atuação no país”.

As operadoras afirmam também que as empresas permaneceram independentes durante todo o processo e que vão continuar atuando dessa maneira após a concretização da compra, em cumprimento ao regulamento da Anatel.

Outra questão levantada pelas operadoras é que a negociação seria benéfica para a recuperação judicial do Grupo Oi, que agora vai estar focado em serviços de dados nos mercados de varejo e no fornecimento de fibra óptica no mercado de atacado.

VIU ISSO?

–> Cade vai investigar compra da Oi Móvel pela TIM, Claro e Vivo

–> Algar Telecom quer impedir compra da Oi Móvel

–> Anatel pode acelerar venda da Oi Móvel

Além disso, as empresas também alegam que a operação não vai resultar em concentração excessiva de market share ou de espectro, evitando assim, o exercício abusivo de poder econômico.

Nesse sentido, as companhias explicam que a divisão de clientes vai seguir o critério de mínimo incremento de concentração (HHI), por área de numeração (CN) do celular.

Além disso, a divisão dos direitos de uso de radiofrequência serão divididos entre a Telefônica e a TIM, de forma que nenhum dos grupos exceda os limites de 35% para as frequências abaixo de 1 GHz e de 30% para as frequências entre 1 e 3 GHz. Já a Claro não irá adquirir nenhuma radiofrequência na operação.

“As Compradoras continuarão enfrentando intensa rivalidade no mercado, entre si e com outros players, em especial considerando-se o fato que a operação não implicará a criação de quaisquer vínculos societários ou de outra natureza entre elas no que diz respeito à condução de suas respectivas atividades no mercado”, diz um dos trechos da Carte de Anuência endereçada ao Conselho Diretor da Anatel .

Confira aqui o documento na íntegra.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
7 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários