Digital Colony compra a Boingo por US$ 854 milhões

Transação envolve contratos para a oferta de redes Wi-Fi públicas em aeroportos no Brasil.

O fundo norte-americano Digital Colony acaba de anunciar a compra da Boingo Wireless por US$ 854 milhões (R$ 4,9 bilhões na cotação atual).

A Boingo é uma prestadora de serviços Wi-Fi e sistemas de antenas distribuídas.

Com a transação, ela deixa de ser uma empresa aberta para ser incorporada pela Digital Colony.

O negócio inclui o compromisso da companhia de investimento em pagar US$ 199 milhões (R$ 1,1 bilhão) da dívida líquida da Boingo.

VIU ISSO?

–> Oi oficializa venda de ativos para a Highline

–> Highline desiste das negociações para a compra da Oi Móvel

–> TIM pretende desligar torres recebidas da Oi

O negócio acaba afetando o Brasil, uma vez que a Boingo possui contratos para a oferta de redes Wi-Fi em 54 aeroportos do país.

Viajantes passando pelo Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, acessam a rede Wi-Fi 6 da Boingo, por exemplo.

Além disso, a empresa também possui parcerias com grandes operadoras, como a americana AT&T e as brasileiras Claro e Oi.

Highline Brasil

A Digital Colony é uma empresa de investimentos de private equity que tem como foco o mercado de telecomunicações.

A companhia é a controladora da Highline Brasil, que tem interesse em comprar o controle da empresa de fibra da Oi, a Infraco, mas perdeu o status de “stalking horse” para o BTG Pactual.

A empresa segue na disputa, mas o BTG Pactual tem exclusividade nas negociações, podendo dar um lance superior ao da Highline.

Por outro lado, a Highline arrematou recentemente as 637 torres e rooftops da Oi, pela cifra de R$ 1,1 bilhão.

O negócio já foi aprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), sem qualquer restrição.

A Highline também adquiriu no ano passado a Phoenix Tower do Brasil, administrada pela Blackstone Tactical Opportunities.

Detalhes sobre a transação não foram revelados, mas a Highline passa a possuir um portfólio combinado de cerca de 3,8 mil infraestruturas móveis, entre elas, torres e pequenas células (“small cell”).

Com essas aquisições, a Highline já é uma das maiores empresas independentes de torres no Brasil.

Com informações de Convergência Digital.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários