Início5GBaigorri propõe a migração da TV via satélite para a Banda Ku

Baigorri propõe a migração da TV via satélite para a Banda Ku

Questão foi um dos principais motivos para o atraso do leilão de frequências do 5G.

Nesta segunda-feira, 1º de fevereiro, durante reunião extraordinária da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o conselheiro e relator, Carlos Baigorri, anunciou a sua proposta para a desocupação da Banda C pelas operadoras de TV aberta via satélite.

Na proposta é prevista a migração dos sinais televisivos via satélite da TV Aberta para a Banda Ku, deixando a faixa de 3,5 GHz liberada para uso das redes 5G.

A Banda Ku já é utilizada para transmissões televisivas por operadoras da TV Paga, como a SKY e Claro, que utilizam antenas parabólicas menores do que as usadas para a TV aberta.

O debate sobre a interferência da conexão de quinta geração nos sinais de TV via satélite é um dos principais motivos para o atraso no leilão de frequências.

VIU ISSO?

–> MCom publica nova portaria sobre o 5G e gera polêmica

–> Bolsonaro desmente liberação da Huawei para ter acesso à vacina

–> Senado vai acompanhar implante do 5G

Além da migração, era debatida a possibilidade de uso de filtros em antenas parabólicas para reduzir a interferência do sinal 5G.

Conforme noticiado pelo Minha Operadora, a Conexis Brasil Digital, chegou a propor uma solução híbrida, inicialmente utilizando filtros e posteriormente a migração para a banda Ku, para que a implantação do 5G não atrase ainda mais.

Apesar do posicionamento de entidades setoriais defendendo a mitigação ou a solução híbrida, Carlos Baigorri entendeu que a migração da Banda C para a Ku é o cenário mais adequado, seguindo um entendimento da área técnica da própria Anatel.

Na migração, os custos associados envolvem a distribuição e instalação de equipamentos de recepção da Banda Ku na casa dos usuários da TV aberta.

A ideia é que a distribuição ocorra de forma aberta e gratuita, desde que seja solicitado pelo interessado e que o usuário esteja cadastrado no Cadastro Único (CadÚnico), do Governo Federal.

O conselheiro ressalta que terá o direito a troca do equipamento até mesmo aquele usuário que reside em uma cidade abrangida pelo sinal digital de TV, algo que a área técnica da Anatel era contrária.

Por parte das operadoras, as empresas nacionais e estrangeiras terão que adquirir e instalar novos equipamentos para garantir a migração de frequência, incluindo o reapontamento de antenas e serviços técnicos.

Porém, na proposta apresentada não é previsto indenização às operadoras de satélite por essa migração.

Segundo o conselheiro da Anatel, o custo para desocupação da Banda C e instalação dos “kits Ku” ainda será estimado, sendo estabelecido na versão final do edital do 5G e descontado no valor de venda das faixas.

A ideia é que seja criado um grupo para acompanhar a implantação das soluções para resolver os problemas de interferência, além de uma entidade administradora da faixa de 3,5 GHz.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
CONTEUDO RELACIONADO

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários

MAIS POPULARES