Ministério Público vai investigar leilão da Oi Móvel

Órgão pretende examinar se existem irregularidades no consórcio formado pela Vivo, TIM e Claro.

O Ministério Público Federal (MPF) junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pretende analisar o leilão de ativos móveis da Oi (OIBR3/OIBR4), ocorrido no último dia 14 de dezembro.

A ideia é investigar se existem irregularidades concorrenciais no consórcio formado pelas operadoras Vivo (VIVT3), TIM (TIMS3) e Claro.

O procedimento administrativo pretende acompanhar possíveis impactos na concorrência no setor de telecomunicações.

O valor do negócio é de R$ 16,5 bilhões e prevê o fatiamento da Oi Móvel entre as três operadoras.

VIU ISSO?

–> Venda da Oi Móvel: Vivo e TIM podem controlar quase 70% do mercado

–> Oi pretende voltar à liderança da banda larga, diz Abreu

–> TIM pode espelhar planos móveis da Oi

A concentração de mercado é uma preocupação, uma vez que as quatro operadoras controlam 95% da telefonia móvel no país.

A portaria MPF-Cade se baseia em uma representação da Algar Telecom, a quinta maior operadora do país e concorrente do consórcio.

Com informações de Conjur.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários