Oi pretende voltar à liderança da banda larga, diz Abreu

CEO da Oi participou de reunião pública para fazer um balanço da companhia durante este ano e falar das expectativas para 2021.

Nesta segunda-feira, 21, Rodrigo Abreu, CEO da Oi (OIBR3/OIBR4) participou de uma reunião pública e online promovida pela Associação dos Analistas e Profissionais do Mercado de Capitais (Apimec).

Durante o evento, Abreu apresentou aos investidores, analistas e público em geral um balanço do ano de 2020 e as expectativas para o ano de 2021.


Além de Rodrigo, a reunião contou com a presença de Camille Loyo, chefe do setor financeiro e diretora de relação com investidores da operadora.

Também participaram representantes da Apimec, Lucy Sousa, de São Paulo, e Hélio Darwich Nogueira, do Rio de Janeiro.

VIU ISSO?

–> Vazam valores do piloto da fibra de 1 Gbps da Oi

–> Oi teve economia de R$ 136 milhões com atendimento digital

–> Veja com quantos clientes da Oi Móvel cada operadora deve ficar

O ano de 2020 para a Oi

Rodrigo relembrou a mudança de governança na Oi, a qual considerou um movimento importante que proporcionou uma certa estabilidade para que a companhia pudesse passar pelo processo atual de reestruturação.

O executivo afirmou que a venda de ativos, captação de recursos e a aposta no serviço de banda larga fixa têm gerado uma mudança na curva de receita da empresa e que promoverá a redução da dívida bilionária da Oi.

ECONOMIZE! 💰 Compare os planos das operadoras de celular e escolha o mais vantajoso para você.

Segundo Abreu, a companhia tinha em caixa R$ 5,7 bilhões em setembro passado e que ao menos R$ 26,9 bilhões foram levantados nas últimas semanas com os leilões judiciais.

Oi Fibra

Rodrigo também citou que a operadora atingiu em dezembro a marca de 2 milhões de clientes no serviço Oi Fibra, com uma média de 149 mil novos clientes mensais, adicionando 17% mais clientes do que outras operadoras e aumentando em 5 vezes a receita em um ano.

O CEO afirma que a banda larga por fibra da Oi caminha para a liderança no setor, ultrapassando não apenas as grandes operadoras, mas também os provedores regionais.

Ele ressalta que a compra de pequenos provedores não é uma meta da Oi, mas que pode ocorrer alguma consolidação.

Atualmente, a Oi mantêm market share de 14,5% no número de acessos de banda larga fixa, atrás da Claro (28,2%) e da Vivo (18,5%).

2021

Para 2021, Rodrigo acredita no crescimento da receita da operadora como um todo, puxado principalmente pela Oi Fibra.

A expectativa é que o leilão da InfraCo e do serviço de TV por assinatura ocorra no primeiro semestre de 2021 e a alienação da Oi Móvel ocorra até o final do ano que vem.

O encerramento do processo de recuperação judicial está previsto para ocorrer até outubro de 2021.

Abreu projeta que no final do ano que vem a Oi terá de um lado a InfraCo, a maior operadora de infra de telecom no Brasil, para massificar a fibra, habilitar a ultra banda larga, 5G e serviços corporativos.

De outro, terá a Nova Oi, uma plataforma de tecnologia integrada e serviços digitais, para empresas e consumidores.

“A companhia ao final desse processo vai ter dois fortes pilares, ambos muito sustentáveis e com uma proposta de valor clara, uma companhia renovada, uma companhia que não vai depender mais de grandes processos de recuperação para seguir a diante”, afirmou.

Ações da Oi

No momento do fechamento desta matéria, às 12h45, as ações ordinárias da Oi são cotadas a R$ 2,11, queda de 3,65%.

Já os papéis preferenciais são negociados com queda de R$ 2,81 (-4,42%).

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários