Anatel não deve interferir na venda da Oi Móvel, diz jornal

COMPARTILHAR:

Representantes da agência não pretendem entrar na discussão da concentração de mercado na eventual compra de ativos pela Vivo, TIM e Claro.

De acordo com o Estadão, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deve dar anuência caso o consórcio formado pela Vivo (VIVT3 / VIVT4), TIM (TIMP3) e Claro eventualmente compre os ativos móveis da Oi (OIBR3 / OIBR4).

A informação foi apurada pelo jornal, ao entrevistar membros e ex-membros do órgão regulador.

No entendimento da Anatel, não se pretende entrar no mérito da possível concentração de mercado, caso o número de principais operadoras do país seja reduzido de quatro para três. Para esse tema, existe o trabalho do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O Estadão destaca que esse posicionamento é novo. Na última década, a Anatel estava mais preocupada com o tema concorrencial, mas vem abrandando aos poucos as “amarras regulatórias”.

“Até por volta de 2010, a Anatel repetia o mantra de que o mercado brasileiro deveria ter no mínimo quatro a cinco operadoras de celular. E ela conseguiu isso via leilões de frequências ou por medidas regulatórias”, diz um superintendente do órgão, que pediu para não revelar seu nome.

No leilão do 3G, por exemplo, o órgão chegou a vetar a possibilidade das quatro maiores operadoras levassem todos os lotes de frequências. Tal movimento permitiu a entrada da Nextel no mercado brasileiro.

Apesar dessa preocupação inicial com o mercado, a Anatel não impediu que a Nextel fosse incorporada recentemente pela Claro.

Outro sinal de flexibilização ocorreu em 2018, quando o limite de frequências detidos por cada operadora ampliou de 20% a 30% para 35%.

VIU ISSO?

–> Veja como TIM, Vivo e Claro devem dividir os clientes da Oi Móvel

–> Bancos levam a pior contra a Oi

–> Enel entra na disputa pelos ativos da Oi

Na última sexta-feira, o consórcio formado pela Vivo, Claro e TIM ganharam exclusividade nas negociações para a compra da Oi Móvel. O grupo ofereceu R$ 16,5 bilhões pelos ativos, cujo preço mínimo é de R$ 15 bilhões.

Apesar das negociações, a venda do setor móvel da Oi ainda precisa de aprovação dos credores da companhia em recuperação judicial. A Assembleia Geral de Credores (AGC) deve ocorrer no dia 8 de setembro.

Com informações de Estadão.

About Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 8 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários