TIM não descarta se tornar cliente da InfraCo (Oi)

Presidente da operadora afirmou também que não entrará em uma guerra de preços pelos ativos móveis da tele.

Ilustração Fibra Óptica
Imagem: Flickr

Recentemente, Pietro Labriola revelou mais detalhes a respeito da estratégia da TIM com a Oi. As duas operadoras se relacionam de diversas maneiras e a empresa da Telecom Itália é uma das principais interessadas nos ativos móveis da tele carioca.

Mas, quanto a isso, o presidente da TIM destaca que não será feita uma guerra de ofertas pela Oi Móvel. Ele cita ainda como uma “competição irracional”, na qual sua empresa não está interessada em entrar.


Junto com a Claro e Vivo, a operadora ofereceu R$ 16,5 bilhões pelos ativos móveis da Oi nos últimas dias. A oferta veio como uma contra proposta ao que a Highline do Brasil ofereceu e conseguiu um acordo de exclusividade para a negociação.

Entretanto, tudo tem um limite e os lances pela Oi Móvel vão chegar ao seu. Ao menos se depender da TIM, que não pretende entrar em uma guerra de lances cada vez mais altos.

Labriola enfatiza que a operadora seguirá na tentativa de negociação enquanto o processo de compra dos ativos da operadora estiver um percurso razoável.

Questionado também sobre interesse em outras unidades que a Oi colocou para venda, o presidente da TIM descartou. Um assunto mencionado foi a InfraCo, divisão de infraestrutura de fibra óptica que a Oi vai ofertar o controle acionário.

VIU ISSO?

–> Banda larga impulsiona resultados da TIM no segundo trimestre

–> Oi faz novos esclarecimentos sobre divisão da companhia

–> ‘TIM Beta’ e ‘TIM Pré’ vão perder alguns benefícios

Sobre essa questão, Labriola também destacou que não está interessado nos ativos de rede da Oi, ou seja, na compra do controle acionário da InfraCo, que será ofertado.

Entretanto, no futuro, a TIM pode até se tornar uma cliente, já que a empresa da Oi vai viabilizar infraestrutura para outras marcas ofertarem conexões de fibra.

Vale destacar que nos próximos meses, a TIM pretende lançar sua própria empresa de infraestrutura, a TIM Live. Mas, inicialmente, será para concentrar as redes de fibra da empresa como um projeto próprio.

Não será uma rede neutra como a InfraCo. Em uma segunda fase, poderá ser aberta. A TIM procura parceiros para essa nova empreitada.

Com informações de Valor Econômico e Broadcast

COMPARTILHAR EM:

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
4 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários
Carlos Fernandes

Não me surpreende essa informação. Em conversa com uma pessoa da área técnica, comecei a entender o que está acontecendo com a TIM. Com a compra da Telecom Itália pela Telefônica (Vivo) em 2010 a TIM Brasil parou ou diminuiu drasticamente o seu investimento e hoje em dia ela opera no limite. Por isso ele não tem condições de criar planos competitivos porque se sua base de clientes aumentar muito ela não terá condições de atender e por isso ela só faz ofertas em cidades com população menor ou com sobra de rede. Essa é uma das razões de estar… Leia mais »

Cidade - UF
Rio de Janeiro
Helliton Soares Mesquita

Algo complicado de saber. A Telecom Itália tem uma porrada de acionistas com seus interesses. Mas não se descarta que eles tentem enfraquecer a empresa para vender e ter algum lucro, ou comprar barato de vez e fortalecer ela depois. A TIM optou por ser uma empresa para a Renda Alta, compartilhando a rede da Vivo a cobertura dela é a maior do Brasil, provavelmente para tentar vender produtos corporativos dando a garantia que a Rede vai pegar no país todo e boa parte da Europa e América.

Cidade - UF
Rondonópolis - MT
Jefferson

A TIM está é certa. A Oi não é futuro pra ninguém. Além do problema da dívida e da infraestrutura, é uma empresa de clientes classe D, na sua maioria Pré-pago, o que tira o potencial de rentabilidade do negócio.
Sou até a favor que haja um acordo entre as três empresas, mas com um valor justo, para evitar eventuais prejuízos para as empresas e para o consumidor.

Cidade - UF
Recife - PE
Helliton Soares Mesquita

Ficou confusa a parte que diz que a TIM não está interessada na rede da Oi. Ela não está interessada em investir na Divisão, mas na rede em si ela tem interesse como foi dito.

Cidade - UF
Rondonópolis - MT