Claro tenta impedir compartilhamento de redes entre TIM e Vivo

Apesar de manifestar suas preocupações, argumentos da operadora foram desconsiderados pelo CADE, que aprovou a iniciativa.

Ilustração - Operadoras
Imagem: PxHere

Sem qualquer restrição, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou o acordo que prevê o compartilhamento de redes entre as operadoras TIM e Vivo.

Anunciada em 2019, a negociação é muito aguardada pelos usuários de telecomunicações, que passarão a ter cobertura em localidades que uma das duas não estava presente e agora vão estar, por meio das redes que vão partilhar.


A concorrente Claro tentou manifestar suas preocupações. Para a prestadora, decisões conjuntas sobre redes poderiam ter impacto na competitividade entre as principais teles do país.

É basicamente um argumento sobre “concentração” de mercado, pois o acordo poderia permitir uma divisão geográfica de foco atuação reacionária aos concorrentes.

Entretanto, a empresa parece não ter se lembrado que precisou se defender do mesmo tipo de argumento quando comprou a Nextel, em uma aquisição também aprovada em 2019 e com tentativas de impedimento impostas pela TIM.

Foi então que, para aprovar o compartilhamento de redes, o CADE explorou os argumentos utilizados pela própria Claro em sua última compra e alegou que, além de não envolver transação de ativos, o escopo e a escala do acordo estão bem definidos. 

VIU ISSO?

–> TIM e Vivo anunciam compartilhamento de redes 2G e 4G

–> Conheça os estados onde Claro, Vivo, TIM e Oi lideram com folga

–> TIM Beta vs. Vivo Easy; qual plano é mais vantajoso?

ECONOMIZE! 💰 Compare os planos das operadoras de celular e escolha o mais vantajoso para você.

Sobre o compartilhamento

Para quem ainda não está familiarizado ou por dentro da iniciativa, TIM e Vivo anunciaram o acordo em julho de 2019. As redes 4G de 700 MHz e o 3G serão compartilhadas em cidades com menos de 30 mil habitantes, com possibilidades de expansão.

Com o 2G, será criada uma rede única a ser implementada em áreas onde as duas se fazem presentes. A operadora remanescente vai fornecer a conectividade para a base de clientes das duas.

De início, o acordo deve englobar mais de 800 cidades no compartilhamento de 3G/4G e 2.700 no 2G.

Com informações de Convergência Digital

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
17 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários