Netflix pode ser obrigada a investir em conteúdo brasileiro

Medida também é válida para serviços como o Amazon Prime Vídeo e NOW, da Claro net tv.

Sintonia, produção nacional da Netflix
Sintonia, produção nacional da Netflix – Imagem: Divulgação Netflix

Plataformas com o Amazon e a Netflix já investem em conteúdo nacional, mas o governo pode começar a impor limites e diretrizes nesse campo. A Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados aprovou a proposta que obriga os serviços de streaming a investirem pelo menos 10% do faturamento bruto em produções brasileiras.

A medida também será válida para o NOW, da Claro net tv, mas exclui o YouTube, por exemplo, pois a plataforma é exclusivamente remunerada por publicidade. Já o serviço premium do site, com assinaturas, não deve escapar da obrigação.


Do percentual, ao menos 50% deve ser dedicado para conteúdos de produtoras brasileiras independentes. Já 30% terá que ser dedicado a produções oriundas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Séries, filmes, documentários e qualquer outra atração que seja identitária também terá que ser priorizada pelas companhias, em pelo menos 10% do total dedicado para as produções brasileiras.

VIU ISSO?

–> Regulação do streaming: o que podem mudar na Netflix e semelhantes?

–> Claro e Netflix criticam cota de produção nacional para o streaming

–> Deputada do PT defende regulação do streaming

Ou seja, para melhor entendimento, são temas relacionados aos direitos das mulheres, negros, indígenas, quilombolas, pessoas com deficiência, grupos em situação de vulnerabilidade social ou comunidades tradicionais.

Se a medida for descumprida, a multa pode valer o dobro da quantia que não foi investida. O texto aprovado é o substitutivo ao Projeto de Lei 8889/17, do deputado Paulo Teixeira, do PT. A autoria é de Benedita da Silva, do mesmo partido.

A ideia original era estabelecer cotas para o streaming, assim como é feito na TV por assinatura pela Lei do SeAC. Essa medida, inclusive, ganhou uma ampliação para mais oito anos.

Agora, o PL 8889/17 vai para análise em caráter conclusivo pelas Comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Com informações de Câmara dos Deputados

About Anderson Guimarães
Jornalista com cinco anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.

1
DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, FAÇA LOGIN para comentar
1 Número de Comentários
0 Número de Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Comentário com mais interação
1 Autores de comentários
Tauan Fontoura Autores recentes de comentários
  Acompanhar esta matéria  
o mais novo mais antigo mais votado
Notificação de
Tauan Fontoura
Colaborador
Tauan Fontoura

Lei inútil tinha que ser do PT.
Cada empresa deve investir no que que achar melhor pra ela.
Não governo dizendo o que se deve fazer.

Cidade - UF
Porto Velho RO