Amdocs abrirá novo centro de desenvolvimento no Brasil até final de 2012

Empresa também anunciou solução de “casa conectada” e espera ver primeiros lançamentos comerciais de operadoras no 2º semestre
A Amdocs anunciou nesta quinta-feira (2) que planeja abrir um novo centro de desenvolvimento em São Carlos (SP), que deve começar suas operações até o final deste ano. A medida faz parte da estratégia de expansão dos negócios da companhia no país e na América Latina, que é atualmente atendida pelo centro da Amdocs na cidade de São Paulo.

“Estamos abrindo um novo centro de desenvolvimento e operações para dar apoio ao crescimento do mercado no Brasil”, afirmou Patrick McGrory, presidente de América Latina da empresa, especializada em soluções de TI para o setor de telecomunicações. No Brasil, ela atua como fornecedora para as principais operadoras do país, entre elas Claro e TIM.

A companhia, que comemora 30 anos este ano, também aproveitou a ocasião para lançar sua nova solução M2M (machine-to-machine) para a chamada connected home, ou casa conectada. Segundo o vice-presidente de Brasil da Amdocs, Nelson Wang, é a primeira plataforma de gerenciamento do mundo que integra os diferentes usos da tecnologia de conectar dispositivos dentro da casa, como entretenimento, segurança, automação e monitoramento de saúde e uso de energia.

“A solução está pronta e há negociações em andamento com operadoras no Brasil, e acredito que a partir do segundo semestre esse serviço já estará disponível para o consumidor brasileiro”, afirmou Edson Paiva, diretor de vendas da filial. Segundo ele, já começa a existir alguma demanda no país, onde incorporadoras já integram soluções de connected home durante a construção de novos imóveis residenciais.

A tecnologia connected home é uma das apostas da Amdocs para impulsionar a receita das teles com serviços baseados em dados, mas Wang lembra que é preciso investir em infraestrutura, para aumentar a capacidade das redes, além de otimizar os sistemas de gerenciamento das mesmas para permitir melhor eficiência no uso de capacidade. “Com o modelo de hoje, a operadora não vai ter como lidar com uma explosão de dados”, disse o executivo da empresa, que fornece para as operadoras software de atendimento, billing e gerenciamento, entre outros.

Um dos objetivos da companhia para crescer no país é justamente aproveitar o momento de consolidação do setor, com diversas operadoras pequenas sendo compradas e a fusão das operações de diferentes segmentos de um mesmo grupo, para vender suas soluções e otimizar os sistemas “obsoletos” das teles, de olho na “explosão de dados” que será criada com a realização da Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016. “Tem que tratar melhor o cliente, saber a demanda do cliente, ser eficiente e saber cobrar”, diz Wang, que acredita que será impossível fugir dos modelos de tarifação diferenciada para clientes que sejam heavy users de dados, por exemplo.
About Redação Minha Operadora
Um dos principais sites de notícias sobre o setor de telecomunicações do Brasil e do mundo. Mais de 10 mil artigos publicados com cerca de 1 milhão de páginas lidas todos os meses.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários