sexta-feira, 19 de julho de 2013

Funcionários da Oi param também no Rio de Janeiro

O que você achou? 
Funcionários das Telemont e da Serede, terceirizados da Oi no Rio de Janeiro, também resolveram aderir a greve desde ontem (18) que trabalhadores de outros estados do país estão fazendo. A principal reivindicação dos funcionários foi pelo pagamento de Participação nos Lucros e Resultados (PPR). As empresas fizeram uma proposta de R$ 150 por ano, mas a contraproposta do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadores de Mesas Telefônicas no Estado do Rio de Janeiro (Sintel-RJ) é de um PPR de R$ 400.

De acordo com a diretora de formação sindical do Sintel-RJ, Vânia Miguez, haveria uma assembleia no final da tarde para analisar uma possível proposta das empresas e a tendência era de que a greve permanecesse.

Segundo ela, é difícil estimar a quantidade de trabalhadores que aderiram à greve porque são funcionários da rede externa, que trabalham, portanto, na rua. Dos 15 mil trabalhadores da rede externa da Oi no Rio de Janeiro, a estimativa é de que de 70% a 80% tenham aderido à greve. Esses funcionários fazem a manutenção da rede, mas também cuidam da parte de instalação e reparo do serviço na casa dos clientes. Além dos funcionários da rede externa, participam da paralisação cerca de 150 funcionários da Telemont que cuidam da rede de dados e trabalham dentro da Oi.

A greve foi mencionada na reunião do Conselho Consultivo da Anatel, pelo conselheiro Marcelo Miranda. Ele protestou contra o PL 4.330/2004 que legitima a terceirização e, segundo ele, permite a quarteirização e ainda exime a empresa da responsabilidade solidária. "O SindiTelebrasil diz que é a favor do direito do consumidor, mas está no Congresso Nacional apoiando o projeto", dispara ele. Por sugestão de Miranda, o Conselho Consultivo vai discutir a questão da terceirização.


A Oi entrou em contato com a maioria dos veículos de imprensa agora a pouco, inclusive conosco, para informar que a greve dos funcionários terceirizados foi encerrada. Segundo a operadora, apenas 4,1% dos funcionários técnicos terceirizados aderiram à paralisação, número bem diverso dos 70% a 80% dos 15 mil terceirizados estimados pelo Sintel-RJ. A Oi não soube informar se as reivindicações dos trabalhadores foram atendidas, porque, segundo justificou a assessoria de imprensa, apenas acompanha as negociações entre os funcionários e o Sinttel-RJ. O #Minha Operadora não conseguiu novo contato com o sindicato até o momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário