InícioInternet Banda LargaProvedora de internet é suspeita de pagar traficantes por serviços em comunidades

Provedora de internet é suspeita de pagar traficantes por serviços em comunidades

Empresa suspeita de monopolizar o serviço nas comunidades do Rio de Janeiro realiza pagamento mensal para traficantes dessas áreas.

Na manhã desta sexta-feira (19), a Polícia Civil do Rio de Janeiro realizou uma operação contra uma empresa provedora de internet suspeita de pagar a traficantes para explorar com exclusividade o serviço de internet em algumas comunidades. A operação foi denominada de “Tráfico.com” e atua a partir da Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio.

A ação foi realizada nas comunidades do Morro dos Macacos (Vila Isabel), Manoel Correa e Jardim Nautilus (Cabo Frio), Vila Tiradentes (São João de Meriti), Jacaré (Niterói) e Dendê (Ilha do Governador), onde há suspeita dessa atuação dos traficantes com a provedora.

Segundo investigação da DDSD (Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados), a empresa, que não teve seu nome revelado, paga valores semanais aos líderes do tráfico para distribuir sinal de internet, telefonia e TV a cabo nessas comunidades, impedindo assim a atuação de outras operadoras nas localidades.

Com o pagamento realizado, os cabos das outras empresas eram cortados pelos criminosos, que ainda ameaçavam de morte as equipes que iam fazer reparos na rede. Com isso, era criado um verdadeiro monopólio da provedora na região, que estima ter mais de 20 mil clientes, o que totaliza um faturamento bruto mensal de mais de R$ 1 milhão.


LEIA TAMBÉM:

–> Conheça as 6 novas operadoras do Brasil

–> TIM realiza teste 5G SA na subestação elétrica da Vila Olímpia em SP

–> Anatel extingue acordo com a Fundação Lemann para levar internet às escolas públicas

Segundo relatos de funcionários da Vivo, Claro e Oi, quando eles chegavam as comunidades dominadas pela empresa que pagava aos traficantes, homens armados os abordavam e os expulsavam sob ameaças de morte. A maioria das chamadas realizadas para essas áreas estão relacionadas a serviços de reparos em equipamentos que foram vandalizados ou incendiados pelos criminosos.

No entanto, as ameaças dos criminosos também eram feitas para as equipes que iam nas comunidades instalar redes que não pertenciam ao provedor associado ao trágico.

SourceG1
Cleane Lima
Jornalista, Comunicóloga, Repórter e Redatora há mais de 3 anos, com experiência na produção e revisão de conteúdo para internet. Adora escrever sobre qualquer assunto. "Palavras são, na minha humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia". Alvo Dumbledore.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários