InícioDefesa do ConsumidorVivo ganha disputa na Justiça após cliente exigir plano similar mais barato

Vivo ganha disputa na Justiça após cliente exigir plano similar mais barato

Cliente pediu danos morais após solicitar a troca por plano mais barato e receber um não como resposta.

Vivo reverte queda e tem lucro líquido de R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre
Foto: Reprodução Internet

Um cliente da Vivo perdeu uma disputa contra a operadora após entrar Justiça por não conseguir alterar seu plano de celular para outro similar com menor valor mensal. A Justiça concluiu que não houve prática abusiva da empresa e isentou a Vivo de pagar danos morais ao consumidor.

O usuário que entrou na Justiça é cliente da Vivo e possui um plano Vivo Controle Digital com 5 GB de internet pelo valor mensal de R$ 59,99 por mês. No entanto, ele afirma que a operadora passou a comercializar um plano idêntico pelo preço de R$ 54,99 por mês, ou seja, R$ 5 mais barato.

Segundo o consumidor, ele entrou em contato com a Vivo através do atendimento telefônico, solicitou a redução do valor, mas recebeu um não como resposta.

Ele seguida, ele recorreu à Justiça, solicitando que a Vivo fornecesse o plano no valor de R$ 54,99 por mês. Além disso, ele pediu danos morais em valor não inferior a R$ 20 mil.


VEJA TAMBÉM:

–> Justiça condena Vivo e Claro por vazamento de dados

–> Vivo é condenada pela Justiça por deixar cliente 8 meses sem celular

–> Vivo Fibra chega a mais 9 cidades ofertando internet de até 600 Mbps

No entanto, o juiz da comarca de Tupi Paulista (SP) considerou a ação como improcedente após a defesa da operadora ressaltar que o pacotes não eram idênticos: o plano com valor mais mais alto possui serviços digitais, diferentemente do plano com valor mais baixo.

Vale ressaltar que, mesmo a Justiça considerando o processo improcedente, as operadoras de telecomunicações são obrigadas a vender suas ofertas para qualquer pessoa, inclusive para quem já é cliente da operadora e possui algum serviço por um preço mais alto.

A Anatel determina que: “Todas as ofertas, inclusive de caráter promocional, devem estar disponíveis para contratação por todos os interessados, inclusive já Consumidores da Prestadora, sem distinção fundada na data de adesão ou qualquer outra forma de discriminação dentro da área geográfica da oferta”.

Com informações de Tecnoblog

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários