29/02/2024

Parceria entre a TIM e o C6 Bank está ameaçada

Contrato entre as empresas pode ser cancelado caso elas não cheguem a um acordo.

Parceria entre a TIM e o C6 Bank está ameaçada

A operadora TIM (TIMS3) informou ao mercado que instaurou um procedimento arbitral no Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CCBC). A ação é contra a o C6 Bank e a Carbon Holding (controladora da instituição financeira).

A comunicação não apresenta detalhes, mas afirma que na arbitragem “discutir-se-á a interpretação de determinadas cláusulas dos contratos que regem a parceria entre as partes”. Dependendo do que for decidido, a parceria entre a operadora e o banco pode ser encerrada.

O acordo entre a TIM e o C6 Bank foi anunciado em 26 de março de 2020. A ideia é oferecer serviços financeiros para os clientes da operadora, assim como aumentar a base de usuários do banco digital.

Em apenas 3 meses, a empresa de telefonia conseguiu levar 800 mil clientes para o C6. Já os clientes da TIM desfrutam de bônus e benefícios, frutos desta parceria.

VEJA TAMBÉM:

–> TIM aposta na ultra banda larga para competir com pequenos provedores

–> TIM mantém recuperação e apresenta resultados financeiros positivos no segundo trimestre

–> TIM anuncia novas parcerias estaduais para expandir cobertura móvel

A TIM é paga para cada cliente que ingressar na base da C6. Ao atingir um determinado número, a operadora pode subscrever opções de ações da instituição financeira. No último trimestre, a TIM alcançou 2,9% do capital social do banco, segundo resultados financeiros divulgados nesta segunda-feira, 26 de julho.

Durante a teleconferência de apresentação desses resultados, o CEO da TIM, Pietro Labriola, e Renato Ciuchini, vice-presidente de estratégia e transformação da companhia, afirmaram que a operadora está prestes a assinar uma nova parceria para o lançamento de uma carteira digital. Os executivos ressaltaram que a novidade não interfere na parceria com o C6 Bank, pois o perfil do público-alvo será outro.

A ideia é oferecer um produto para o usuário móvel pré-pago, para que ele possa comprar produtos e contratar serviços por meio de créditos de recarga. “São pessoas sem conta em banco e que não têm desejo de ter conta bancária, mas precisam se ajustar ao processo de digitalização do dinheiro que vem acontecendo no Brasil”, afirmou Ciuchini.

Com informações de Telesíntese.

1 COMENTÁRIO

Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais Votados
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários