Nova teoria relaciona 5G, vacina e ‘gotas flutuantes’; entenda

Mais uma vez, a tão aguardada conectividade de quinta geração foi vítima de uma falsa teoria da conspiração.

Imagem: Vídeo utilizado como 'fake news' do 5G
Imagem: Vídeo utilizado como ‘fake news’ do 5G – Captura de Tela

Desde o ano passado, o 5G é vítima de notícias falsas e muitas teorias da conspiração. A mais nova é ilustrada por um vídeo no qual uma pessoa começa a soltar gotas (identificadas erroneamente como a vacina contra a COVID-19) em uma frequência 5G.

As gotículas começam a flutuar e a produção ganha ainda uma trilha sonora misteriosa para compor a atmosfera conspiratória a respeito da conectividade.

O vídeo, obviamente, é falso. A produção foi realizada em 2020 e criada por David Villafranca, jovem espanhol que constrói projetos tecnológicos. Na época, o estudioso publicou o conteúdo no Instagram e explicou que testava levitação acústica para suspender gotas de leite e pedaços de isopor.

O 5G é associado com a pandemia desde o ano passado. No Reino Unido, antenas da conectividade de quinta geração foram até mesmo destruídas por pessoas que acreditaram na possibilidade de a tecnologia ser a grande causadora da pandemia.

VEJA TAMBÉM:

–> Claro reserva valor bilionário para desenvolver 5G

–> TIM derruba anúncios da Claro sobre ‘5G DSS’

–> 5G poderá substituir banda larga fixa residencial

Toda essa história, obviamente, já foi desmentida por cientistas e especialistas no assunto, que explicam com base na lógica dos dois temas envolvidos no debate. No vídeo que utilizaram para, mais uma vez, espalhar informações difamatórias contra o 5G, o responsável pela gravação apresenta uma técnica em que ondas sonoras ultra-sônicas, inaudíveis para os humanos, conseguem levitar pequenos objetos.

A conectividade de quinta geração não é vista apenas como a evolução do 4G, sim como uma nova revolução industrial. É uma definição que surge com base nas diversas possibilidades tecnológicas que o 5G vai propiciar para a vida humana.

As altas velocidades da conexão, por exemplo, vão trazer mais recursos para a medicina remota, impulsionar os projetos de ‘cidades inteligentes’, entre outras supostas ‘revoluções’. É por isso que a tecnologia é vista como uma possível ‘mina de ouro’ para a economia brasileira.

Mas, o Brasil segue sem uma previsão concreta para realizar o leilão de frequências para a nova conectividade. A certeza até então é que a negociação será concretizada ainda em 2021.

Com informações de Agência Lupa

About Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários