Entenda as razões que podem exterminar parceria entre TIM e C6 Bank

Insatisfação pode ter motivado primeiro e derradeiro conflito entre as duas empresas, apesar da parceria ‘recente’; conheça os detalhes.

Campanha da TIM e do C6 Bank. Imagem: Captura de tela dos sites oficiais
Campanha da TIM e do C6 Bank. Imagem: Captura de tela dos sites oficiais

Ao que tudo indica, as cortinas podem realmente se fechar em relação a parceria da TIM e C6 Bank. As duas empresas estão unidas desde 2020. No acordo, a operadora envia clientes de sua base para o banco digital e ganha o direito de subscrever ações na parceira. Nos três meses iniciais, por exemplo, a tele conseguiu migrar 800 mil clientes para o C6. Nesse cenário, o que pode ter comprometido uma parceria que soava bem-sucedida até então?

Nas contas oficiais, a TIM levou três milhões de consumidores para o banco digital até o momento. O número corresponde a uma média de 400 mil clientes mensais, o que significa que a empresa da Telecom Itália pode vir a ter uma participação de 14,5% no C6 Bank em três anos.

Os números podem parecer expressivos para quem acompanha de fora, mas não na visão do banco, que parece ter expectativas além. Afinal, a TIM possui mais de 50 milhões de consumidores no país. Para o C6, os esforços da operadora com divulgação e migração de clientes não são suficientes para honrar o acordo. O potencial é para mais.

Portanto, partiu do próprio C6 Bank a iniciativa de romper o contrato de parceria. A TIM saiu em busca de uma arbitragem por não aceitar o fim. A parceria só pode acabar definitivamente quando sair uma decisão do processo que corre no Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá.

VEJA TAMBÉM:

–> TIM lança nova campanha com foco nas Olimpíadas

–> Clientes TIM ganham R$ 20 de cashback no C6 Bank

–> Junto da TIM, C6 Bank pode virar maior banco digital do mundo

Desde março do ano passado, usuários da TIM são convidados a terem uma conta no C6 Bank e podem desfrutar de benefícios como descontos, bônus e outros serviços. É uma parceria lucrativa para a operadora, fato que explica a dificuldade em aceitar o rompimento do acordo.

Houve ainda uma valorização no negócio após o banco de investimentos JP Morgan comprar 40% do C6 Bank. Com esse aumento de valor no mercado, a TIM tem um patrimônio cada vez maior com essa parceria.

Com informações de Estadão

About Anderson Guimarães
Jornalista com seis anos de experiência em produção de conteúdo digital. Passagens por eventos nacionais, mídias sociais e agências de publicidade. Apaixonado por tecnologia e cultura pop.
Acompanhar esta matéria
Notificação de
3 Comentários
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários