InícioDefesa do ConsumidorAnatel vai cobrar mais transparência das operadoras na velocidade da internet

Anatel vai cobrar mais transparência das operadoras na velocidade da internet

Número de reclamações no Procon sobre banda larga fixa cresceu 30%.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) quer que as operadoras mudem a forma como comunicam a velocidade da internet para os consumidores.

Segundo Elisa Leonel, superintendente de relações com os consumidores da agência reguladora, em muitos casos, as empresas vendem o serviço de banda larga fixa indicando apenas a velocidade máxima da conexão, geralmente alcançada somente de madrugada.

Pelo regulamento atual da Anatel, a velocidade contratada pode ser 80% na média e até 40% em momentos de pico.

Porém, até o fim deste ano, a Anatel pretende lançar um novo regulamento do setor, no qual cobra mais transparência das operadoras.


VEJA TAMBÉM:

–> Ministério da Justiça desenvolve aplicativo para medir qualidade da internet

–> Claro net é acusada de limitar internet banda larga

–> 5G poderá substituir banda larga fixa residencial

“É preciso melhorar a comunicação, explicar que o consumidor vai navegar na internet com uma velocidade média”, explica Elisa.

Além disso, a agência quer que as operadoras forneçam mais informações aos usuários sobre como o uso de roteadores, celulares e computadores podem impactar no sinal e no desempenho da banda larga.

“As empresas precisam treinar melhor os funcionários, para que saibam explicar, por exemplo, que a velocidade da internet é diferente quando oferecida via satélite, fibra óptica e ADSL, que chamam de wi-fi robusto, que também tem limites técnicos”, ressalta Leonel.

As operadoras lideram o ranking de reclamações em Procons.

De acordo com Fábio Pasin, pesquisador de telecom do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), as reclamações sobre banda larga fixa aumentaram cerca de 30% durante a pandemia.

Entre as queixas estão interrupções do serviço e velocidades que não atendem a necessidade do usuário.

“É preciso que o consumidor documente essa má prestação do serviço, reclame e exija compensação”, diz Pasin.

Outras mudanças

Além da velocidade da internet, a Anatel deve coibir no novo regulamento as constantes alterações contratuais pelas operadoras.

Hoje, a empresa pode mudar os termos contato que elas notificam o cliente com um mês de antecedência.

Na nova proposta, a ideia é que as alterações sejam feitas apenas no aniversário do contrato.

“Muitas vezes o cliente adere a novos serviços, acompanhados de mais internet e preços maiores, sem entender como isso altera o contrato”, explica Elisa.

Outro ponto são os Serviços de Valor Adicionado (SVA).

A Anatel quer que as empresas sejam mais claras nas ofertas, principalmente agora que as operadoras têm se tornado em grandes hubs de aplicativos e serviços digitais.

Com informações de Globo.

Hemerson Brandão
Jornalista, gestor e produtor de conteúdo. São 9 anos trabalhando com blogs, revistas, agências e clientes corporativos. Apaixonado por ciência, tecnologia e exploração espacial.

1 COMENTÁRIO

Acompanhar esta matéria
Notificação de
1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários